sexta-feira, 17 de outubro de 2014

O mundo caminha para uma geração colaborativa. Todos tem a liberdade para produzir conteúdo e disseminar suas opiniões. Isso tudo pela internet! As mídias sociais transformaram as relações entre empresa e pessoas, pois viraram um palco para elogios, reclamações, inventividade e muito mais. Esse cenário traz questões pertinentes quanto ao tratamento com os clientes: não é mais possível trata-los de forma generalizada. Agora eles querem experiências únicas, direcionamento, engajamento.

Não à toa, os principais líderes de marketing (CMOs) estão cada vez mais preocupados com o engajamento dos clientes por meio da tecnologia e esta questão está ocupando cada vez mais espaço em suas agendas. Isso, principalmente, porque a concorrência ficou mais acirrada e o tempo para lançamento de produtos e serviços reduziu. A partir desta premissa, marketing, comunicação e TI rompem as barreiras e caminham para um trabalho sinérgico e qualitativo com integração em todos os seus canais, tirando o foco “técnico” e passando a ter um perfil estratégico de negócio totalmente focado no cliente.

Segundo estudo da Frost&Sullivan “The Evolved CMO 2014”, 73% dos executivos de marketing já perceberam que a vantagem competitiva vem do estudo direcionado ao cliente, mas em termos de maturidade ainda há muito que fazer quando falamos em sincronizar uma visão única para gerir esse público. Entre os desafios próximos, levar a sério o uso de dados para a gestão de clientes e estimular o crescimento das empresas com o uso da tecnologia será o mais significativo.

No que diz respeito aos dados, o último estudo da IBM sobre CMOs aponta que 82% deles ainda sentem-se despreparados para lidar com a explosão de dados que está sendo vivenciada. É... Big Data ainda assusta um pouco. E isso não é nenhuma novidade! A projeção é de que os investimentos nesta área atinjam US$ 426 milhões neste ano, impulsionados pelos segmentos de varejo, Telecom e finanças. Já o relatório da Frost&Sullivan revela que 52% recorrem à utilização deles para tomar decisões de marketing. Isso quer dizer que a tecnologia é a grande aliada para equilibrar prioridades concorrentes com recursos finitos, encontrar o caminho certo rumo à tecnologia ou até mesmo na preocupação com o ROI (Return Over Investment).

Os estudos não contemplam para onde o Big data, Mobilidade e Social Business vão levar os negócios, mas já é sabido que essas áreas são fundamentais para a tomada de decisão e se torna um diferencial competitivo relevante. Além disso, existe uma conspiração de fatores que coloca o CMO como o maior potencial consumidor de tecnologia dentro das empresas, mais do que o CFO, CHRO (Recursos Humanos) ou o CSCO (Supply Chain).


Confira abaixo mais insights da pesquisa da Frost&Sullivan e como os negócios podem ser modificados a partir de uma visão focada no cliente



Posted on 18:00 by TI+simples

No comments

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Foto Reprodução EJ TV
Dr. William E.Moerner, um dos cientistas que ganharam o Prêmio Nobel da Química 2014, é um ex-IBMista. O mais curioso desta história é que ele estava no Brasil quando recebeu a notícia da conquista. Na semana passada, Moerner participou de um congresso científico na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife. As pessoas em Estocolmo não conseguiam avisá-lo, então ligaram para sua esposa que transmitiu a notícia ao cientista pelo telefone.

Junto com Eric Betzig e Stefan W. Hell, Moerner foi homenageado pelo desenvolvimento de técnicas de microscópios de alta resolução que permitem observar moléculas dentro de células vivas. As técnicas do trio são usadas em pesquisa e aplicações médicas que conseguiram, por exemplo, entender como determinadas proteínas se comportam em organismos de pessoas com doenças como Parkinson e Alzheimer.

Nascido em 1953 em Pleasanton, nos EUA, Moerner é norte-americano. Iniciou sua carreira na IBM em 1981 no Laboratório de Almaden, na Califórnia, trabalhando com armazenamento óptico e interações laser-materiais. Ele liderou uma equipe que demonstrou pela primeira vez a gravação de múltiplas imagens holográficas em um polímero fotorefrativos no final dos anos 80. Outros grandes avanços na área foram apresentados pelo cientista em 1991 e 1993. Em 1995 encerrou sua trajetória na IBM e foi para a academia. Atualmente, trabalha na Universidade de Stanford, também na Califórnia.

Este é o sexto prêmio Nobel que tem a participação de cientistas que já passaram por Laboratórios de Pesquisas da IBM. É uma honra saber que a base deste trabalho premiado começou dentro do nosso ambiente de pesquisa.

Conheça mais sobre as contribuições de Moerner na IBM aqui.


Posted on 15:20 by TI+simples

No comments

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Mais uma parceria sacode o mercado de TI e startups. IBM e Start-Up Brasil, programa nacional de aceleração do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, acabam de firmar acordo com objetivo de fomentar a expressividade desse segmento na economia do País – já que a IBM acredita que as startups podem ser mais eficientes e inovadoras com o uso da tecnologia.


A nova parceria permitirá que a IBM aproxime-se das mais de 150 empresas participantes do programa, oferecendo consultoria em tecnologia e negócios, mentoring, além de acesso aos técnicos, suporte e benefícios do Programa Global de Empreendedorismo da companhia –  possibilitando uma considerável abertura de mercado para as startups em diferentes setores, além de ajudar os empreendedores a gerar mais negócios e ganhar escalabilidade.

Além de expandir as oportunidades dos empreendedores do programa Start-Up Brasil com a IBM, a parceria gera benefícios para as áreas do empreendedorismo e inovação do país. Juntos, o Start-Up Brasil e a IBM agora vão fomentar o ecossistema empreendedor brasileiro.

Antes aceitando somente startups B2B, recentemente o Programa Global de Empreendedorismo da IBM passou a permitir a adesão de empreendedores com soluções B2C, ampliando expressivamente seu alcance. Entre seus principais benefícios estão o uso de software IBM (via licenças de uso ou por meio da nuvem) sem encargos, por três anos, suporte e consultoria técnica e de marketing, mentoring, possibilidade de se criar um consistente networking através do IBM SmartCamp, participação e interação no IBM developerWorks (portal de tecnologia da IBM com mais de 8 milhões de profissionais de TI do mundo todo) e a chance de entrada no programa Catalyst.

Cabeças que pensam

"Se tem um tipo de palavra que eu gosto são os verbos. Entretanto, se tem um verbo escorregadio que eu não gosto é ajudar, pois esconde uma indefinição e um descompromisso por trás do ar de nobre. Felizmente, não ouvi esta palavra na entrevista que tive com Claudio Bessa, cabeça da unidade de desenvolvimento de ecossistema para a América Latina na IBM. Pelo contrário: dele e do Felipe Matos, cabeça operacional do Start-Up Brasil, só ouvi estratégia, estratégia e estratégia." Diego Ramos, editor-chefe e Sócio-Diretor do Startupi.com.br e co-autor do livro "Empreendedorismo Inovador" em seu artigo para o Startupi.com. Veja o texto completo aqui. 


http://brasilgep.com.br/


O que é o Programa Start-Up Brasil?

O Start-Up Brasil, Programa Nacional de Aceleração de Startups, é uma iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) em parceria com aceleradoras, que visa apoiar empresas nascentes de base tecnológica, as chamadas startups. Funcionando por edições e com duração de um ano, o programa realiza duas chamadas públicas, uma para qualificar e habilitar aceleradoras e outra para a seleção de projetos startups, com duas rodadas semestrais. Durante o ano, as startups selecionadas participam de eventos, recebem acompanhamento e tem a possibilidade de participar do Demo Day nacional ou internacional promovido pelo programa. O Start-Up Brasil integra o TI Maior, Programa Estratégico de Software e Serviços de TI, que por sua vez é uma das ações da Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI), que elege as TICs entre os programas prioritários para impulsionar a economia brasileira e tem importantes players do setor como parceiros do programa. Site: www.startupbrasil.org.br , Facebook e @startup_br.



Veja na Imprensa






Posted on 14:51 by TI+simples

No comments