Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Semana passada recebemos no Brasil a principal executiva mundial da IBM para mobilidade, Marie Wick, uma entusiasta desta tecnologia que está impactando cada vez mais o dia a dia das pessoas e de corporações de diferentes segmentos e indústrias. Ela falou muito sobre o Brasil e como estamos avançados na adoção e utilização de tecnologias móveis. Também falou sobre alguns desafios que enfrentamos por aqui, como a questão da capacitação de profissionais para atuarem no setor e a necessidade de um melhor desenvolvimento do modelo de negócios para Mobile Payment – uma realidade em diversos países que ainda não “aterrisou” por aqui.

Sabemos que, hoje, a tecnologia está embutida em praticamente todas as ações do nosso dia a dia e invadiu nosso ambiente pessoal e profissional. Poucos vivem sem o seu smarthphone, tablet ou PC. Segundo o conceito da “Internet das coisas”, já existem cerca de 9,6 mil milhões de dispositivos conectados entre si. Além disso, houve uma explosão no número de usuários de dispositivos móveis nos últimos dois anos e, de acordo com a consultoria IDC, os adeptos de smartphones no Brasil já somam cerca de 6,8 milhões e até 2015 os estes dispositivos deverão representar 57% do mercado total de celular no País. O dado demonstra o quanto os brasileiros estão incorporando cada vez mais as tecnologias móveis em sua rotina.

Como temos mais pessoas com celulares do que com acesso à água potável ou energia elétrica, por exemplo, a mobilidade abre espaço para a transformação dos negócios, criando um novo modelo de conexão entre a empresa e seus clientes. Isto demanda uma mentalidade onde o ponto de partida dos processos passa a ser o dispositivo móvel. É uma maneira diferente de pensar os sistemas e negócios.

Para implementar novas estratégias e aproveitar os benefícios proporcionados pelas tecnologias móveis, as organizações também devem considerar como Cloud Computing, o Business Analytics e segurança podem ser agregadas nesse processo. A IBM possui tecnologias como a do Mobile First capazes de gerenciar esse processo de ponta a ponta, como aplicações que ajudar as empresas a gerenciar se comunicar com os milhões de dispositivos móveis e sensores que hoje integram desde automóveis a sistemas de gestão de trânsito, edifícios inteligentes ou aplicações domésticas. São soluções que conseguem suportar um milhão de sensores ou dispositivos móveis concorrentes e que podem comportar até 13 milhões de mensagens por segundo.

Além disso, para oferecer um pacote mais completo ao mercado, a IBM acaba de fechar uma parceria com a Apple que permitirá a venda de iPad, iPhone e iMac junto com os serviços de mobilidade que a IBM oferece. A IBM Brasil é a primeira a ter este modelo que une o portfólio de serviços e software da IBM aos equipamentos da Apple. Os produtos oferecidos podem ser adquiridos tanto no modelo tradicional de aquisição como através de leasing com o Banco IBM.

Para finalizar o post, compartilho um dado de mercado que ilustra o potencial deste mercado para os negócios!!

Artigos Relacionados

05 out
O dia em que o Chef Watson transformou alho poró em sobremesa
Geral // 3

*Por Kelly Bassi Minha curiosidade foi nas alturas quando fiquei sabendo que os estudantes de Gastronomia da Universidade Anhanguera de São Paulo usariam o aplicativo Chef Watson para criar receitas inéditas e que fariam parte de um concurso de culinária da faculdade. Para quem não lembra, o app, desenvolvido pela IBM, utiliza a computação cognitiva para dar recomendações culinárias.

08 jul
Nanotecnologia: olhando o mini para fazer grandes mudanças
Geral // 0

 *Por Kelly Bassi A nanotecnologia é a ciência que estuda a manipulação de matérias em escala atômica e molecular para criar novos materiais, produtos e processos. Cuidar dessas partículas tão pequenas já mudou muitas coisas em nossas vidas. Um exemplo bem próximo são os microprocessadores que estão cada vez menores e com maior poder computacional. O resultado destas pesquisas em nanotecnologia está em suas

18 mar
O que a cultura Agile pode fazer por uma empresa
Geral // 0

O termo “Startup” nasceu no início da década de 90, assim que se iniciou a grande bolha da internet. Entretanto, de acordo com dados da Associação Brasileira de Startups – ABStartups, nos últimos cinco anos o mercado presenciou um “boom” dessas companhias, que já nascem digitais ou com forte base tecnológica, são ultra conectadas, reconhecidas

Comentários

Anônimo
23 de agosto de 2013

Legal esse post… incrível saber que hoje temos mais pessoas com celulares do que com acesso à água potável ou energia elétrica… isso mostra o quanto a mobilidade veio para ficar e o tamanho da oportunidade que empresas de tecnologia têm pela frente para melhorar a vida das pessoas…
Parabéns pelo blog, ótima iniciativa!!
Mari Gastaldello

timaissimples
23 de agosto de 2013

Obrigada, Mari :-)

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por