Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Não é de hoje que, ao pensar em tecnologia, não aliamos seus benefícios apenas aos profissionais de TI de uma empresa. Diretores de finanças, segurança e, mais recentemente, recursos humanos e marketing têm participado cada vez mais do processo de aquisição de novas tecnologias – e se beneficiado muito delas.

Isso porque na era do big data, com diferentes tipos de dados provenientes dos mais diversos tipos de dispositivos, obter vantagem competitiva a partir do domínio destas informações se torna um diferencial para profissionais dos mais distintos segmentos.

De acordo com um estudo da IBM, que entrevistou mais de 500 CMOs (Chief Marketing Officers), 94% destes profissionais acreditam que soluções avançadas de análise de dados terão um papel significante para que atinjam suas metas de negócios. A pesquisa também revelou um número cada vez maior de CMOs que acredita que suas empresas estão despreparadas para capitalizar sobre a explosão do fenômeno Big Data – 83% em relação aos 71% registrados três anos atrás.

Esses dados mostram a preocupação dos profissionais que lidam diariamente e diretamente com os consumidores em aprimorar cada vez mais a experiência que o cliente tem com determinada marca, produto ou serviço – e que a sustentabilidade de seus negócios depende desta mudança na interação com os consumidores.
Hoje existem tecnologias e práticas de consultorias de negócios, como o IBM Customer Experience Lab, dedicadas a auxiliar líderes empresariais a obter informações precisas referentes ao comportamento de clientes. Isso tem transformado a forma como consumidores experimentam produtos, serviços e marcas por meio do uso de tecnologias como Mobilidade, Social Business, Cloud Computing e Analytics.
Este laboratório já desenvolveu e aplicou soluções capazes de analisar, em tempo real, dados não estruturados sobre fatos importantes no cotidiano de cada cliente, como um casamento, e permitir que a empresa tome decisões de negócios a partir desta informação. Também criou técnicas para ajudar os varejistas a personalizarem suas estratégias de precificação de produtos e um algoritmo que combina a psicologia da linguagem com dados de social media para entender a personalidade de cada cliente e, com isso, identificar suas preferências de consumo.
Big Data para reenergizar o trabalho de RH
A tecnologia de análise de dados tem trabalhado amplamente também em benefício dos profissionais de recursos humanos. Por meio da coleta e avaliação dos dados que os funcionários de uma empresa divulgam em suas redes sociais é possível, por exemplo, modernizar as técnicas de contratação, gerenciar e aumentar a produtividade da força de trabalho, encontrar talentos  e conectar funcionários, trazendo benefícios para os negócios de uma empresa.
Com tecnologias de Smarter Workforce também é possível combinar informações de redes sociais, ciência
comportamental e análise de dados para oferecer aos negócios uma visão precisa para que possam valorizar seu recurso mais valioso: os funcionários.
Visão
da página do IBM Kenexa Talent Suite, que permite aos diretores de Recursos
Humanos (CHROs) obter informações precisas a partir de dados gerados
diariamente por seus times de profissionais

Artigos Relacionados

04 fev
Quer solucionar um problema? Crie um APP! Hackathon Olhar Digital, o que rolou
Geral // 1

*por Mariana Lemos O ano mal começou e já sinto que se passaram seis meses. Se deslocar em São Paulo #nãotáfácil, então peguei trânsito e cheguei atrasada para assistir a final do ‘Guru Eletrônico’ – Hackathon que o Olhar Digital promoveu no Mackenzie – SP nos dias 2 e 3 de Fev. Ainda bem que

19 nov
O Renascimento da Privacidade nas Redes
Geral // 1

* Por Fabio Rua Dados atualizados hoje (e já devem estar velhos), dão conta que 968 milhões de pessoas acessam o Facebook diariamente. No mesmo periodo, são registrados 4,5 bilhões de likes e shares em posts, fotos, videos, páginas ou notícias. No twitter, são 500 milhões de tweets por dia. A exposição voluntária de fatos

03 abr
A Internet das Coisas vai ser cognitiva
Geral // 0

*por Mariana Lemos – Qual a primeira “coisa conectada” que vem à sua cabeça quando você ouve o termo “internet das coisas”? Um carro? Uma geladeira? Se sim, normal. Eu sempre lembro do exemplo do carro “inteligente” que avisa quando precisa de algum reparo, ou da geladeira que manda uma mensagem quando algum produto acabou. Esses

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por