Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Para os ativistas da internet, empresas de tecnologia e governos de diversos países, parecia um interminável conclave para a escolha do próximo Papa.  Para o público em geral, que vinha sendo chamado a participar do processo por redes sociais, sites, spams de email, jornais e revistas, um palavrório meio sem sentido.
 Estou falando do Marco Civil da Internet que, para facilitar a compreensão, vem sendo chamado de a Constituição Digital Brasileira.  Como o próprio nome diz, é um conjunto de normas que devem garantir o que de mais precioso existe hoje (ou deveria existir) na rede mundial de computadores:  neutralidade da rede, liberdade de expressão, privacidade dos usuários.
 Foram cinco anos de um extenso debate junto a sociedade civil e o governo brasileiro.  A grande polêmica estava centrada em fazer com que a nossa Magna Carta da Internet preservasse, ao mesmo tempo, as garantias mencionadas acima e a habilidade das empresas em manter e expandir os seus modelos de negócio.
A melhor maneira de compreendermos a neutralidade é usando a metáfora da TV a cabo, na qual cobra-se por pacotes diferenciados de conteúdo.  Caso este tema não fosse garantido no Marco Civil, poderíamos passar a ver empresas oferecendo os famosos “combos” para o acesso a internet.  Tal possibilidade poderia descaracterizar o caráter aberto, livre e irrestrito da rede.
Para caracterizar a liberdade de expressão na internet, lembro que hoje qualquer imagem, vídeo o texto pode ser retirado do ar por denúncias, violações ou publicação de informações que atentem contra a imagem e reputação das pessoas, empresas ou governos.  Com o Marco Civil, companhias como o Google e Facebook deixam de ser responsáveis pelo conteúdo gerado pelos seus usuários e só poderão retirar conteúdos postados por eles com uma determinação judicial – exceção se aplica a casos de nudez ou atos sexuais privados que, por ventura, “vazem” na internet.
O Marco também garante a privacidade ao estipular que informações pessoais e registros de acesso só podem ser comercializados se o usuário conceder autorização expressa para isto.  Hoje em dia, os dados são usados livremente por empresas que, em posse de informações sobre a preferência e hábitos do internauta na rede, acabam vendendo ou direcionando publicidade para estimular o seu consumo.
O Projeto de Lei do Marco Civil foi aprovado pelo Senado no último dia 22 de abril e sancionado pela Presidenta Dilma Rousseff na manhã seguinte, na cerimônia de abertura da Conferência NETmundial.  Para que os princípios acima passem a valer, a nova lei ainda precisa ser regulamentada, ou seja, descrita de forma a esmiuçar sua aplicação, identificando casos e exceções.
A expectativa é de que em 60 dias a nossa constituição da internet esteja em vigor.  Importante ficarmos atentos para evitar que, ao final deste período, a “fumaça” que indicará a publicação da lei, como quando é concluído um conclave, seja branca e não preta.

*Fabio Rua é Diretor de Relações Governamentais da IBM Brasil

Artigos Relacionados

20 jan
Mudando o jogo com a análise de dados
Geral // 0

[ATENÇÃO: CONTÉM SPOILERS SOBRE O FILME “O Homem que mudou o jogo”] Esses dias assisti novamente “O Homem que mudou o jogo” (Moneyball).  O filme ficou bem conhecido pela boa atuação do ator Brad Pitt, que representa o técnico do Oakland Athletics, Billy Beane, um time de baseball que estava em decadência e decide utilizar a

26 mar
Os benefícios do leasing no Brasil
Geral // 0

O leasing já está presente no Brasil há várias décadas e tem sido uma modalidade bastante solicitada por diferentes segmentos e por empresas de todos os portes. O benefício fiscal e a melhora no payback do investimento estão entre os vários aspectos quantitativos favoráveis na decisão de realizar uma operação de leasing. No caso do investimento em tecnologia, as

25 ago
Podcast: Entenda o Watson em 5 minutos
Geral // 1

O volume de dados gerados em todo o mundo dobrou nos últimos dois anos. E grande parte desta informação não é estruturada, ou seja, não está armazenada em bancos de dados. O líder de Watson da IBM Brasil, Fábio Scopeta, explica como a Computação Cognitiva está revolucionando esta era computacional que vivemos por meio da

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por