Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Direito, jornalismo, medicina, arquitetura… Foi-se o tempo em que essas eram as profissões mais promissoras do mercado de trabalho. Hoje, em pleno século XXI, após a ascensão da internet e do completo estabelecimento das redes sociais na vida dos seres humanos, novos perfis profissionais passaram a ser procurados pelas empresas. Ao mergulhar no universo da tecnologia, aos poucos vemos um novo profissional chegar às empresas: o cientista de dados. Essa função deve se tornar muito comum ao longo dos próximos anos, principalmente em empresas que lidam com grandes quantidades de dados.
Big Data já não é um termo estranho para as pessoas comuns, muito menos para quem respira tecnologia todos os dias. 90% dos dados do mundo foram gerados nos últimos dois anos e 80% desses dados não são estruturados, ou seja, vem de inúmeras fontes, como vídeos, redes sociais, blogs. Esse profissional precisará estar antenado a tecnologias analíticas para transformar essa montanha de dados em conhecimento valioso para o negócio da sua empresa.
Para se ter noção do crescimento do mercado nessa área, em 2013 o Gartner publicou um estudo que revelou que a demanda por cientistas de dados chegará a 4,4 milhões de profissionais em 2015, sendo que somente a América Latina demandará quase 1 milhão desses especialistas. Desta forma, é possível perceber que “o mar está para peixes que sabem analisar dados”.
A profissão surgiu, as oportunidades estão em profusão no mercado, mas ainda há poucos especialistas que atendam aos pré-requisitos necessários para o cargo. De acordo com uma pesquisa da IDC, atualmente no Brasil existe uma carência de 39,9 mil profissionais de tecnologia. Os números apontam que, até 2015, esse número deve crescer para 117 mil. Agora, se isso acontece no mercado de TI como um todo, imaginem os números quando se trata de cientistas de dados.
Pensando em colaborar com a criação de mão de obra que atenda essa grande demanda, recentemente a IBM fechou uma parceria com seis grandes universidades no Brasil com cursos voltados ao mercado de Tecnologia. Com base no acordo, ESPM, Fundação Getulio Vargas (FGV), Universidade Presbiteriana Mackenzie, Universidade de Taubaté (SP), Faculdade de Tecnologia FIAP e Faculdade BandTec passam a ministrar cursos de graduação, pós e MBA exclusivamente direcionados à formação de especialistas em Big Data a partir deste semestre.
Como complemento ao conteúdo curricular dos novos cursos, a IBM oferecerá materiais e licenças gratuitas sobre tecnologias de análise de dados de última geração, além de workshops de capacitação aos professores das instituições, colaborando ativamente com a formação de especialistas em Análise de Dados. Assim, espera-se aumentar o número de profissionais preparados para lidar com essa montanha de dados que geramos todos os dias.  

Artigos Relacionados

01 mar
Pulse 2014: IBM anuncia novidades em Cloud
Geral // 0

Projetos brasileiros de Cloud foram passear em Las Vegas essa semana. Eles foram apresentados no Pulse, maior conferência de computação em nuvem do mundo, que reúne 11 mil pessoas do mundo todo, realizada pela IBM. A startup brasileira AudioMonitor apresentou um sistema capaz de monitorar os dados gerados por milhares de rádios do Brasil e que roda na

03 out
Geekie e Nativoo são as vencedoras do SmartCamp Brasil
Geral // 0

O resultado do SmartCamp Brasil acabou de sair! As vencedoras do programa foram as startups Geekie e Nativoo, que têm agora, como próximo passo, representar o Brasil na final Latino Americana, no México, e disputarão uma vaga para competir na final mundial, em Silicon Valley, na Califórnia, concorrendo a um dos títulos mais esperados: “IBM

11 nov
Computação cognitiva abre novos horizontes para a indústria de petróleo
Geral // 0

A IBM anunciou uma parceria com a Repsol, empresa global de óleo e gás com sede em Madri, na Espanha, para o desenvolvimento da primeira pesquisa no mundo sobre o uso da computação cognitiva na área petrolífera. O objetivo é encontrar novas técnicas para diminuir o grau de incertezas e riscos do negócio e, consequentemente, aumentar a produção de petróleo e descobrir novas reservas. Serão desenvolvidos dois

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por