Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Foto Reprodução EJ TV

Dr. William E.Moerner, um dos cientistas que ganharam o Prêmio Nobel da Química 2014, é um ex-IBMista. O mais curioso desta história é que ele estava no Brasil quando recebeu a notícia da conquista. Na semana passada, Moerner participou de um congresso científico na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em Recife. As pessoas em Estocolmo não conseguiam avisá-lo, então ligaram para sua esposa que transmitiu a notícia ao cientista pelo telefone.

Junto com Eric Betzig e Stefan W. Hell, Moerner foi homenageado pelo desenvolvimento de técnicas de microscópios de alta resolução que permitem observar moléculas dentro de células vivas. As técnicas do trio são usadas em pesquisa e aplicações médicas que conseguiram, por exemplo, entender como determinadas proteínas se comportam em organismos de pessoas com doenças como Parkinson e Alzheimer.

Nascido em 1953 em Pleasanton, nos EUA, Moerner é norte-americano. Iniciou sua carreira na IBM em 1981 no Laboratório de Almaden, na Califórnia, trabalhando com armazenamento óptico e interações laser-materiais. Ele liderou uma equipe que demonstrou pela primeira vez a gravação de múltiplas imagens holográficas em um polímero fotorefrativos no final dos anos 80. Outros grandes avanços na área foram apresentados pelo cientista em 1991 e 1993. Em 1995 encerrou sua trajetória na IBM e foi para a academia. Atualmente, trabalha na Universidade de Stanford, também na Califórnia.

Este é o sexto prêmio Nobel que tem a participação de cientistas que já passaram por Laboratórios de Pesquisas da IBM. É uma honra saber que a base deste trabalho premiado começou dentro do nosso ambiente de pesquisa. Conheça mais sobre as contribuições de Moerner na IBM aqui.

Artigos Relacionados

07 maio
Trabalhadores digitais: a combinação entre robôs e pessoas
Geral // 0

  O rápido desenvolvimento da  inteligência artificial tem acelerado a evolução de tecnologias de automatização, o que significa que novos mecanismos estão viabilizando projetos mais rápidos, menores e com retorno de investimento interessante (3 a 5 meses – ROI 150%). O potencial é enorme mas a adoção está apenas começando, pela necessidade de entendimento do tema

30 jan
A tecnologia está facilitando nossa auto-sabotagem?
Geral // 0

Você já se pegou mergulhado no feed de uma rede social de fotos, scrollando sem parar, dando uns corações aqui, comentando emojis ali, marcando amigos em memes… e, quando foi ver, se passaram 40 minutos?! Eu já! E não foi uma vez ou outra não. Uma pesquisa da Millward Brown Brasil e NetQuest, de 2016,

15 jul
O que a antropologia ensinou para a tecnologia
Geral // 1

*por Mariana Lemos Você é ‘exatas ou humanas’? Esta famosa pergunta que remete à adolescência parece nos definir como pessoas por toda a vida. Quantas vezes você já escutou um “sou de humanas, não sei fazer cálculos”? Há quem pense que as inovações tecnológicas são criadas por uma série de engenheiros que usam óculos e

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por