Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

O aumento da mobilidade levou o Brasil a ter uma das maiores taxas de uso de dispositivos móveis no mundo, com 95% de sua população metropolitana, de acordo com dados da Brasscom. Essa intimidade com os smartphones e tablets despertou nas pessoas o desejo de querer estar sempre com a tecnologia e a melhor maneira é vesti-la. O que antes era somente um celular, hoje, pode ser um relógio que diz como está sua saúde ou então, lentes de contato que permitem controle de diabetes verificando o nível de glicose por meio de
fluidos lacrimais.

A redefinição da interação entre os humanos e as máquinas já é uma realidade e chama-se dispositivo vestível. Essa tecnologia está sendo utilizada em diversos segmentos da indústria e serviços, em especial na saúde. O objetivo é melhorar a qualidade de vida de pessoas por meio do biofeedback, ou seja, a capacidade que as informações têm em monitorar seu desempenho e alterar seu comportamento.
A concepção dos dispositivos vestíveis só se tornou viável por conta de inúmeros estudos de micropartículas. A mais nova descoberta é o grafeno, que é uma das formas do carbono como o grafite do lápis. Ele se destaca por ser um material de flexibilidade, leveza e condutividade extrema, o que aumenta a resistência mecânica dos produtos – chega a ser 300 vezes mais duro que o aço e mais resistente que o diamante. Sua flexibilidade permite a criação de smartphones, tablets e outros eletrônicos dobráveis para serem guardados no bolso, além de serem finíssimos, transparentes e a prova d’agua.
Ainda em estudo, os pesquisadores estão em busca de um método eficaz para a produção de grafeno em grande escala para tornar seu preço mais acessível. O método tradicional consiste na esfoliação mecânica e proporciona folhas com apenas alguns milímetros. Atualmente, para obtenção de placas com um metro quadrado, é utilizada uma alternativa chamada deposição química, em que se espalha um vapor de metano sobre cobre ou níquel e depois mergulha isso em uma solução que corrói o metal. O que sobra é o grafeno. Este processo se torna inviável pelo fato de “sujar” o material, reduzindo algumas de suas propriedades.
Quer saber mais? Ouça esta reportagem da Rádio CBN sobre o grafeno:

 

lang: en_US

Artigos Relacionados

12 dez
Governo do Estado de São Paulo reúne empresas que investiram cerca de R$ 6,2 bilhões e geraram 8,3 mil empregos
Geral // 0

A IBM Brasil foi homenageada pelo investimento no Laboratório de Pesquisa em São Paulo, que criou cerca de 100 novos empregos. O diretor da unidade, Ulisses Thibes Mello, representou a empresa ao receber o troféu. Para saber mais dessa edição do Prêmio Investe São Paulo, clique aqui.

08 jan
IBM e o ecossistema de desenvolvimento profissional e acadêmico em TI
Geral // 0

Apresentamos a vocês a área de IBM Ecosystem Development – focada no desenvolvimento de professores, estudantes, pesquisadores e profissionais de TI. Ligado a isto, mostramos o Academic Iniciativa, uma plataforma destinada a professores de nível médio e superior, pesquisadores e alunos de pós-graduação. Hoje, vamos abordar mais duas iniciativas lideradas por este time, que tem o objetivo de capacitar pessoas no mercado de

15 out
#HACKATRUCK: o caminhão que carrega uma sala de aula para ensinar programação em todo o país
Geral // 0

*por Mariana Lemos Em meados de 1970, a IBM criou um caminhão que rodou o Brasil levando a seguinte mensagem a profissionais de tecnologia: apostem em programação de softwares. Nessa época, a Big Blue vendia para o mercado o ‘Sistema 3’, um computador que facilitava registros de informações e aplicações de pequenas empresas. O grande

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por