Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)


*por Mariana Lemos

Qual o real estágio da inovação no Brasil? De acordo com Silvio Meira, professor, pesquisador e presidente do conselho da Porto Digital, inovação é, por definição, a mudança do comportamento de agentes do mercado como fornecedores ou consumidores. Ele defende que a inovação vem do mercado, por meio de empresas e agentes de negócios que mudam a vida das pessoas e suas cadeias de valor.
No entanto, há uma peça fundamental no quebra-cabeça da inovação, que faz a ponte entre a geração e distribuição do conhecimento com sua aplicação prática, solucionando problemas do mercado. Estamos falando dos centros de pesquisa e inovação.
O ecossistema de pesquisa no Brasil caminha em passos ora curtos, ora largos. De acordo com estudo da CNI (Confedereção Nacional da Indústria), 99% das empresas consideram a inovação parte fundamental de sua estratégia. Destas, mais de 60% consideram o grau de inovação no país baixo. Ainda assim, o gerente de políticas de inovação da CNI, Luiz Gustavo Delmont, enxerga o copo metade-cheio.
A partir de 2010, a IBM expandiu a operação de seus laboratórios de pesquisa no mundo, contemplando o Brasil. De lá para cá, o país contribui um pouco mais a cada ano na produção de propriedade intelectual. A companhia tinha como meta ter 100 profissionais dedicados à pesquisa até 2015. Hoje, este número já foi atingido e os pesquisadores estão distribuídos entre São Paulo e Rio de Janeiro. São engenheiros, antropólogos, etnógrafos, matemáticos e cientistas da computação, entre outras ocupações, trabalhando em projetos de desenvolvimento de produtos e soluções relevantes para a sociedade.
Elizabeth Saad, professora da ECA/USP, pesquisadora e consultora, acredita que a multidisciplinaridade é fator chave para a construção da inovação. “É preciso unir diferentes tipos de conhecimentos e habilidades para criar novos projetos. Ainda sinto carência do profissional de comunicação inserido no universo dos laboratórios de pesquisa”, diz.
Além da IBM, companhias como General Electric e 3M recentemente implementaram unidades de centros de pesquisas globais no Brasil. Segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, já são mais de 41 mil pesquisadores trabalhando em laboratórios privados. “Estes centros têm a missão de gerar e disseminar conhecimento para promover evoluções nas companhias e na sociedade, além de trazer a cultura da pesquisa para o país”, afirma Alberto Gadioli, diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da 3M do Brasil.
O tema Inovação, Pesquisa e Desenvolvimento no Brasil foi discutido durante o evento Inovação em Debate, promovido pela IBM, com a participação da CNI – Confederação Nacional da Indústria e 3M. Confira abaixo depoimentos de alguns dos participantes para entender qual o impacto dos recentes centros de pesquisa privados instalados no Brasil.

**O evento aconteceu em 21/05/2015 e reuniu importantes pesquisadores, jornalistas e influenciadores on e offline na IBM Brasil.

Fotos e vídeo: Pedro Pavanato

Edição: Pedro Pavanato e Vinicius Peixoto

Artigos Relacionados

16 jun
Computação Cognitiva é a nova vantagem competitiva do mercado financeiro
Geral // 0

*por Mariana LemosMais um ano de CIAB. Em um grande pavilhão do Expo Transamérica, muitas empresas de TI montam seus estandes para mostrar ao ‘mundo’ das finanças como suas soluções de tecnologia podem revolucionar os negócios. Ou, como a tecnologia ajudará companhias a reconstruírem e a reinventarem seus negócios para atenderem os consumidores da era

16 set
IBM lança novo data center de cloud no Brasil. O que isso significa?
Geral // 0

A imagem ao lado chega a ser boba, mas mostra, didaticamente, como cloud computing impacta nossa rotina. Na prática, é simples. Quando falamos em cloud, sabemos que:1) Isso implica um novo modelo de negócios em termos de armazenamento de dados, porque uma pessoa e/ou uma empresa passa a utilizar um servidor externo que armazena dados

05 ago
Cadê meu cartão?
Geral // 0

Os brasileiros com algum tipo de cartão já representam 75% da população brasileira, de acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), o que fez com que eles sejam utilizados mais do que o dinheiro para os pagamentos. Essa gama de opções tem atraído cada vez mais os fraudadores,

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por