Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)


*por Mariana Lemos
Você é ‘exatas ou humanas’? Esta famosa pergunta que remete à adolescência parece nos definir como pessoas por toda a vida. Quantas vezes você já escutou um “sou de humanas, não sei fazer cálculos”?
Há quem pense que as inovações tecnológicas são criadas por uma série de engenheiros que usam óculos e ficam trancados em salas com lousas lotadas de cálculos. Não é bem assim. Até uma tecnologia virar realidade, ela passa por um caminho de concepção, criação, testes, e por aí vai. E o conceito de uma solução pode ser criado, por exemplo, por antropólogos.

Conheça algumas das lições que a antropologia ensinou para a IBM.

-> Veja o que ainda não foi visto. O ‘Vuja de’ surgiu do ‘Déjà vu’, famoso jargão que traduz a sensação de já se ter vivido um determinado momento. Em francês, a expressão Déjà vu significa: já visto antes. Mas o conceito ‘Vuja de’ é bem diferente ou, quase o oposto. ‘Vuja de’ é o nome que se dá ao fenômeno de encontrar uma nova maneira de enxergar fatos já conhecidos. Estamos falando do exercício contínuo de encontrar, em situações rotineiras, o que ainda não foi percebido. É possível, por exemplo, descobrir uma nova paisagem, um novo caminho, o som de um instrumento nunca ouvido antes em uma música que conhecemos há anos. Incríveis percepções podem surgir a partir deste exercício, inclusive no mundo da tecnologia. O ‘Vuja de’ é o ponto de partida para a inovação.
-> Não saber nada é saber alguma coisa. Isso mesmo. Porque não saber sobre algo pode ser a porta de entrada para aprender. Quem entende que não sabe normalmente está aberto ao aprendizado e possui uma grande capacidade de absorver conteúdos e desenvolver habilidades. Então, se orgulhe do ‘não saber’. Com o pouco que usamos do nosso cérebro é possível aprender novas coisas durante toda a vida.
->A Inovação nem sempre é disruptiva. Aliás, a probabilidade de uma inovação surgir da intensa repetição é bastante grande. Isso porque a repetição promove mudanças. E as mudanças causadas pela repetição podem superar a tradição. Logo, é possível inovar na repetição da tradição. Não é tão complexo quanto parece. Lembre-se, antes de desconsiderar algo tradicional em busca de uma inovação, estude o que já existe. O segredo pode estar ali.

*Quem ensinou estes conceitos para algumas das milhares de mentes brilhantes da IBM Brasil foi Fernanda Antonioli, jovem antropóloga integrante do laboratório de pesquisa da companhia.

A aposta da Big Blue nas ciências sociais não é nova. Aliás, há tempos que se ouve falar em antropólogos e pesquisadores no mundo da tecnologia, mas o que chama a atenção é o nível de interesse pelo assunto nos dias de hoje. O fato é que a tecnologia é interdisciplinar e abriga muito bem a antropologia, que ajuda a entendermos a realidade das pessoas, das empresas, do mundo. Afinal, queremos tecnologia a vácuo ou tecnologia com fundamento?

Artigos Relacionados

07 fev
A nuvem da IBM faz chover na Campus Party 2015
Geral // 0

* Por Amanda Doiman Em tempo de escassez, qualquer chuva tem deixado  as pessoas muito felizes, não é mesmo? Imagina então uma chuva de dinheiro…? E foi o que aconteceu hoje na Campus Party! Com uma ação da IBM no mínimo inusitada, choveu em dois momentos. Mas não foi uma chuva qualquer, foi uma chuva

02 dez
Um mar de mulheres vai inundar o mercado de TI
Geral // 0

*por Mari Lemos O título deste post por enquanto apenas expressa uma grande vontade. Hoje, mulheres no mundo da tecnologia são como um oásis no deserto, mas queremos mudar isso! =) Menina brinca de boneca, menino de vídeo-game. Menina veste rosa, menino veste azul. Mulher arruma a casa, homem arruma eletrônicos. E por aí vai…

30 jun
Orgulho LGBT: está na hora das empresas abraçarem a diversidade
Geral // 0

Reconhecido como o mês do orgulho LGBT ou Orgulho Gay, junho nos levou a pensar, mais uma vez, em como estamos caminhando com essa questão. Com muita celebração e mensagens positivas sobre respeito, há ainda a lembrança de dias difíceis que muitas vezes mostram resquícios de resistência. Assim como a luta ao direito de voto

Comentários

Andreia Marin Martins
25 de setembro de 2016

Só não entendi o que a autora quis dizer com a frase “com o pouco que usamos do nosso cérebro…”, não sou neurocientista, mas por tudo que já li a respeito me parece que sempre utilizamos sim a totalidade da capacidade neurológica do cérebro, tanto nas funções voluntárias quanto involuntárias. Sou uma apaixonada por informação, das mais variadas fontes, por isto que a computação cognitiva é tão fascinante para mim, que sou uma pessoa “fora do tempo”!!

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por