Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa

Não é de hoje que o assunto BYOD preocupa companhias em todo o mundo. Explico. BYOD é a sigla que representa o termo ‘bring your own device’, ou, em português: traga/use seu próprio dispositivo. Estamos falando da prática de se utilizar dispositivos móveis pessoais – como celulares, tablets e computadores – para fins de trabalho. Isso é, sim, perigoso, mas em um mundo conectado, dominado pelas facilidades da nuvem, fica praticamente impossível barrar um profissional quando ele usa seu celular para trabalhar. Afinal, estamos evoluindo ou não estamos?

Afora polêmicas, há alguns anos as companhias discutem o lado positivo e o negativo do BYOD. Algumas já estabeleceram políticas de segurança para liberar o uso desses aparelhos para seus funcionários acessarem informações do trabalho a qualquer hora e em qualquer lugar. Nada mais natural, porque vivemos a era da mobilidade. Esta é a forma como as pessoas querem trabalhar, e graças às transformações da cloud os colaboradores podem acessar informações imediatamente em um estalar de dedos, gerando produtividade e colaboração. Um recente estudo da IBM revelou que o uso de softwares na nuvem pode aumentar a produtividade de um time em até 400%, ou seja, BYOD se torna uma ferramenta de apoio a este novo formato de trabalho.

O problema é que a partir do acesso aos aplicativos externos a empresa não consegue visualizar, gerenciar e garantir segurança nas informações que seus funcionários estão compartilhando fora da política da companhia. Observando essa mudança de comportamento das empresas e a necessidade de proteção, a Big Blue acaba de anunciar uma nova tecnologia que permitirá às organizações gerar mais segurança no acesso aos aplicativos de terceiros, baseados na nuvem. O IBM Cloud Security Enforcer é a primeira solução que combina a visibilidade dos aplicativos em cloud com um gerenciamento de identidade na nuvem. Isso é revolucionário, porque permite às organizações descobrir quais apps estão sendo acessados pelos funcionários e, ao mesmo tempo, ajuda a prover segurança no acesso e uso deles.

Confira o estudo da IBM com as principais percepções dos entrevistados sobre os apps e a segurança na cloud:

* O Portal Exame.com também cobriu o lançamento do Cloud Security Enforcer

 

Artigos Relacionados

17 nov
Perigo! Hacker demonstra – em tempo real – uma invasão em dispositivo móvel
Geral // 0

*Por Maria Fernanda Espinosa e Mariana Lemos No filme “Psicose”, de Alfred Hitchcock, o perigo está por perto e o medo é um constante estado de alerta. Hoje, os tipos de ataques e perigos que nos rondam são um pouco mais variados como, por exemplo, os ataques cibernéticos. Dito isso, vamos imaginar… Qual é o prejuízo

03 set
Mentes brilhantes e tecnologia unidas para ajudar pacientes com esquizofrenia
Geral // 0

*por Mariana Lemos São 20h. No caminho de volta para casa me deparo com um morador de rua falando sozinho. Ele parece brigar com seu amigo imaginário. Está negando todas as constatações que alguém lhe faz. Está brigando com ninguém. O invisível lhe incomoda. Penso que ele está maluco. Bem, maluco? Me lembro que amigos imaginários são

03 jun
Roland Garros: a tecnologia me ajudou a ganhar uma aposta
Geral // 0

– Por Bruno Favery – Durante o torneio de tênis Roland Garros, o mais charmoso Grand Slam, acontece um ritual em casa. Todo domingo meu pai e eu preparamos uma bela macarronada, assistimos às partidas do dia e o mais importante: apostamos nos resultados.  O hábito já leva 11 anos e nasceu na mesma época em

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por