Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa e Mariana Lemos

No filme “Psicose”, de Alfred Hitchcock, o perigo está por perto e o medo é um constante estado de alerta. Hoje, os tipos de ataques e perigos que nos rondam são um pouco mais variados como, por exemplo, os ataques cibernéticos.
Dito isso, vamos imaginar… Qual é o prejuízo se seu celular for invadido por um hacker? Seria – no mínimo – uma situação muito chata perceber que todas as suas informações e dados foram expostos a um completo estranho, que pode saber mais sobre você mesmo do que qualquer outra pessoa.
Sem mencionar os perigos de roubo de dados confidenciais e senhas para transações financeiras. Dada esta situação hipotética, você pensa: não há chances disso acontecer comigo. Humm… Há, sim. Agora, multiplique estes perigos por cem. Este é o risco que uma companhia corre ao ter seus sistemas invadidos.
No último Inovação em Debate – evento da IBM Brasil que reúne executivos da empresa, analistas de mercado, influenciadores e jornalistas para discutir temas relevantes do mercado de tecnologia – resolvemos  partir para a prática e mostrar, ao vivo, o quão fácil e rápido pode ser invadir o sistema de um celular, além dos prejuízos que isso pode trazer para indivíduos e companhias. Veja só:

               

Um pouco mais sobre Segurança….Que o mundo está ultra conectado, não precisamos mais dizer. Com um smartphone você já pode controlar a programação do carro, geladeira, TV e por aí vai… Na era da Internet das Coisas podemos prever que este é um caminho sem volta. E isso é, sim, muito legal! Mas, como garantir que todas estes dados, gerados todos os dias por milhões de empresas e cidadãos, estão realmente protegidos? Ou melhor, como garantir a privacidade de nós, indivíduos, e das companhias nas quais trabalhamos?

A Big Blue estima que apenas no ano passado mais de 1 bilhão de dados pessoais tenham sido violados por meio de ataques virtuais em dispositivos móveis. Recentemente, a companhia encomendou um estudo ao Ponemon Institute para avaliar o impacto da vulnerabilidade de dados no mundo da mobilidade. Das 400 grandes empresas ouvidas (maioria eram membros da Fortune 500 e que trabalham com grande quantidade de dados sensíveis nas áreas de finanças, saúde, farmacêutica, setor público, entretenimento e varejo), 40% não tomam as precauções necessárias para garantir a segurança dos aplicativos que desenvolvem para seus clientes. Como se não bastasse, elas afirmaram não protegerem seus dispositivos móveis contra ataques cibernéticos.

É de dar medo! E tem mais… até aplicativos de namoro não são mais confiáveis. Mais de 70% deles têm acesso a suas informações de GPS e 34% acessam arquivos da câmera sem a sua permissão.  Além disso, quase metade dos apps desse gênero é capaz de acessar suas informações bancárias armazenadas no celular, como números e senhas de contas e cartões, como exemplificado no evento.

Para finalizar, vale lembrar que até setembro deste ano a Anatel afirmou que há mais de 275 milhões de celulares no Brasil.  Não precisamos entrar em um estado de psicose, mas, é importante refletir: o que vai garantir sua segurança?

Quer saber mais sobre o que rolou neste Inovação em Debate? Veja a matéria da Computerworld!

 

Artigos Relacionados

07 fev
A nuvem da IBM faz chover na Campus Party 2015
Geral // 0

* Por Amanda Doiman Em tempo de escassez, qualquer chuva tem deixado  as pessoas muito felizes, não é mesmo? Imagina então uma chuva de dinheiro…? E foi o que aconteceu hoje na Campus Party! Com uma ação da IBM no mínimo inusitada, choveu em dois momentos. Mas não foi uma chuva qualquer, foi uma chuva

25 mar
Empresas testam menos da metade dos aplicativos que desenvolvem
Geral // 1

Existem atualmente quase três milhões de aplicativos nos sistemas Android, iOS e Microsoft e, em média, são feitos downloads de mais de 100 mil apps diariamente. Milhares de dispositivos conectados com a internet rodam diferentes tipos de apps com necessidades específicas; é difícil não pensar em segurança. Muitas empresas estão se atentando a isso, porém, de acordo com um relatório publicado

25 out
Entenda como o Watson ajudou Alex da Kid a criar a música “Not Easy”
Geral // 3

A criatividade é uma capacidade humana de grande valor universal. Ao contrário do que muitos podem pensar, a tecnologia pode sim nos ajudar a sermos mais inventivos. Estamos falando da chamada “Criatividade Cognitiva”, que significa aumentar a capacidade de criação humana com o poder da inteligência artificial nos proporcionando novas ideias, histórias e conceitos nunca

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por