Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa e Mariana Lemos

No filme “Psicose”, de Alfred Hitchcock, o perigo está por perto e o medo é um constante estado de alerta. Hoje, os tipos de ataques e perigos que nos rondam são um pouco mais variados como, por exemplo, os ataques cibernéticos.
Dito isso, vamos imaginar… Qual é o prejuízo se seu celular for invadido por um hacker? Seria – no mínimo – uma situação muito chata perceber que todas as suas informações e dados foram expostos a um completo estranho, que pode saber mais sobre você mesmo do que qualquer outra pessoa.
Sem mencionar os perigos de roubo de dados confidenciais e senhas para transações financeiras. Dada esta situação hipotética, você pensa: não há chances disso acontecer comigo. Humm… Há, sim. Agora, multiplique estes perigos por cem. Este é o risco que uma companhia corre ao ter seus sistemas invadidos.
No último Inovação em Debate – evento da IBM Brasil que reúne executivos da empresa, analistas de mercado, influenciadores e jornalistas para discutir temas relevantes do mercado de tecnologia – resolvemos  partir para a prática e mostrar, ao vivo, o quão fácil e rápido pode ser invadir o sistema de um celular, além dos prejuízos que isso pode trazer para indivíduos e companhias. Veja só:

               

Um pouco mais sobre Segurança….Que o mundo está ultra conectado, não precisamos mais dizer. Com um smartphone você já pode controlar a programação do carro, geladeira, TV e por aí vai… Na era da Internet das Coisas podemos prever que este é um caminho sem volta. E isso é, sim, muito legal! Mas, como garantir que todas estes dados, gerados todos os dias por milhões de empresas e cidadãos, estão realmente protegidos? Ou melhor, como garantir a privacidade de nós, indivíduos, e das companhias nas quais trabalhamos?

A Big Blue estima que apenas no ano passado mais de 1 bilhão de dados pessoais tenham sido violados por meio de ataques virtuais em dispositivos móveis. Recentemente, a companhia encomendou um estudo ao Ponemon Institute para avaliar o impacto da vulnerabilidade de dados no mundo da mobilidade. Das 400 grandes empresas ouvidas (maioria eram membros da Fortune 500 e que trabalham com grande quantidade de dados sensíveis nas áreas de finanças, saúde, farmacêutica, setor público, entretenimento e varejo), 40% não tomam as precauções necessárias para garantir a segurança dos aplicativos que desenvolvem para seus clientes. Como se não bastasse, elas afirmaram não protegerem seus dispositivos móveis contra ataques cibernéticos.

É de dar medo! E tem mais… até aplicativos de namoro não são mais confiáveis. Mais de 70% deles têm acesso a suas informações de GPS e 34% acessam arquivos da câmera sem a sua permissão.  Além disso, quase metade dos apps desse gênero é capaz de acessar suas informações bancárias armazenadas no celular, como números e senhas de contas e cartões, como exemplificado no evento.

Para finalizar, vale lembrar que até setembro deste ano a Anatel afirmou que há mais de 275 milhões de celulares no Brasil.  Não precisamos entrar em um estado de psicose, mas, é importante refletir: o que vai garantir sua segurança?

Quer saber mais sobre o que rolou neste Inovação em Debate? Veja a matéria da Computerworld!

 

Artigos Relacionados

01 abr
IBM faz investimento de US$ 3 bi para criar uma área com foco em projetos de Internet das Coisas
Geral // 0

Na primeira quinzena deste mês, o post “Será o fim da falta de bateria em um mundo super conectado?” abordou que estamos cada vez mais conectados e dependentes de fontes de energia. Com tantos equipamentos “inteligentes”, a necessidade de armazenamento de dados cresceu exponencialmente e passamos a ouvir constantemente sobre o big data. Parte destas informações já pode ser utilizada pelas

28 ago
Robôs Humanizados: a próxima revolução
Geral // 1

Antes de escrever este texto eu fiquei pensando nas capacidades e características que nós, humanos, temos. Podemos pensar, cantar, dançar, temos o poder de persuadir, abraçar e amar. Conseguimos ser irônicos, afáveis, maldosos, leais e por aí vai. Por que estou falando sobre isso? O título já mostra que há uma intenção real em mostrar

17 out
CMOs estudam amadurecimento do foco no cliente
Geral // 0

O mundo caminha para uma geração colaborativa. Todos tem a liberdade para produzir conteúdo e disseminar suas opiniões. Isso tudo pela internet! As mídias sociais transformaram as relações entre empresa e pessoas, pois viraram um palco para elogios, reclamações, inventividade e muito mais. Esse cenário traz questões pertinentes quanto ao tratamento com os clientes: não é mais possível trata-los de forma generalizada.

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por