Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

* Por Fabio Rua
Dados atualizados hoje (e já devem estar velhos), dão conta que 968 milhões de pessoas acessam o Facebook diariamente. No mesmo periodo, são registrados 4,5 bilhões de likes e shares em posts, fotos, videos, páginas ou notícias. No twitter, são 500 milhões de tweets por dia. A exposição voluntária de fatos e dados sobre tudo e todos modificou, de maneira irreversível, a nossa percepção e preocupações em relação à nossa privacidade online.
Mas será que isso ainda existe no século XXI? Nenhum de nós precisa ser especialista em tecnologia para saber que a cada interação online, boa parte das nossas informações são armazenadas por sites ou aplicativos. Esses dados, depois de tratados, podem dar origem à construção de uma série de premissas ou até certezas sobre nossos hábitos de consumo, crenças, ideologia, filme favorito, histórico profissional, o livro que está lendo, o time de futebol, a comida favorita… Isso para ficar em informações que, de certa forma, podem ser consideradas pouco comprometedoras do ponto de vista social, cultural e intelectual.
Por outro lado, é virtualmente impossível imaginar o acesso que temos hoje a serviços dos mais variados, sem que haja algum tipo de coleta de dados. Sobretudo pelo fato de que a prestação só é possível caso algumas informações sejam fornecidas. Vejam, por exemplo, os aplicativos como o 99Taxis ou o Uber. Para que possamos contar com a praticidade e segurança oferecidas pelas suas plataformas, é fundamental que as empresas tenham acesso a alguns de nossos dados pessoais, financeiros e de localização. O mesmo vale para aplicativos de saúde, comércio eletrônico, redes sociais, viagens e até aplicativos de tempo. Sem informações que permitam a nossa identificação e um mínimo estudo sobre nossos hábitos, eles simplesmente não conseguem prestar o serviço proposto.
Achar um ponto de equilíbrio entre privacidade e acesso a informações é um dos maiores desafios de governos em todo o mundo. Atualmente, mais de 100 países possuem regulações consolidadas sobre o assunto. E o Brasil não é um deles. O que não quer dizer que o nosso governo não esteja engajado na discussão. Muito pelo contrário.
Salvo engano, os primeiros debates sobre a proteção dos dados pessoais datam de 2010, quando um ante-projeto de lei de autoria do Ministério da Justiça veio a público. Mas o tema da privacidade só foi mesmo ganhar amplitude por aqui depois que Julian Assange (fundador do Wikileaks) e Edward Snowden (ex-técnico da NSA que vazou informações sobre monitoramentos em massa feitos pelo órgão) resolveram se tornar mundialmente famosos. Desde então uma série de projetos legislativos e audiências públicas vem chamando atenção de empresas, organizações da sociedade civil, estudantes, jornalistas e autoridades de governo.
Sem entrar em detalhes sobre cada um deles, gostaria apenas de registrar algumas mensagens que, a meu ver, determinarão se esse debate nos impulsionará para a era cognitiva, como sugeriu o primeiro post desta série, ou para um retrocesso “flintstoniano”. A discussão sobre uma regulamentação da privacidade nas redes, é fundamental e urgente. Entretanto, ao mesmo tempo em que ela deve proteger as informações do usuário e regular seu uso por governos e entes privados, é preciso atentar para a possibilidade de se prejudicar o desenvolvimento de modelos de negócios, que podem se inviabilizar a depender da rigidez da nova lei.
Este não é um tema exclusivo da indústria de tecnologia. Todo e qualquer cidadão, empresário ou representante de órgão público, pode ser afetado por uma norma restritiva ao uso de dados. É importante que o debate ganhe nova dimensão e engajamento. Muitos dos conceitos jurídicos necessários para proteger a privacidade do usuário nas redes já estão nos livros. É importante que ocorra uma expansão e atualização dos marcos jurídicos existentes, para garantir que as políticas de privacidade de dados continuem acompanhando o ritmo acelerado de transformações da era digital.
Dados seguros não são, necessariamente, aqueles armazenados dentro das fronteiras de um país. Isto é um mito que insiste em voltar nos debates sobre o tema. Dados seguros são aqueles em que, independentemente de sua localização, estão protegidos por regulações, boas práticas de governança e robustas camadas tecnológicas contra acessos indevidos.
A privacidade online é um direito do usuário e um dever do provedor de serviços. Neste contexto, o papel dos reguladores deve ser o de estender os benefícios da internet para ainda mais empresas e indivíduos, estabelecendo confiança nas tecnologias, garantindo a privacidade, a segurança dos dados, esclarecendo eventuais incertezas jurídicas e incentivando ainda mais a participação popular em um debate vital para o futuro do nosso país.

 

Artigos Relacionados

09 ago
Nintendo Wii, Pokémon GO e Ivete Sangalo. O que um tem a ver com o outro?
Geral // 0

*Por Mariana Riscala – Quem nunca se viu de pé em frente à televisão dando soquinhos no ar, se esquivando, abaixando, pulando e dando tacadas para lá e para cá? Era assim que ficávamos quando íamos jogar boxe, tênis ou boliche no Wii Sports, um dos jogos mais vendidos do console da Nintendo, com mais

07 ago
De Jeca Tatu à agricultura digital
Geral // 4

Eu praticamente nasci no campo. Desde quando eu e meus irmãos éramos crianças meus pais colocavam a gente em uma grande caminhonete, a Brasinca, e nos levavam para a casa dos parentes no Mato Grosso e Paraná. Era uma viagem de férias de 15 dias. As melhores e mais memoráveis aventuras da minha vida, com

26 jul
Tecnologia a serviço de um trabalho mais inteligente
Geral // 0

Na semana passada postamos um vídeo que fala de alguns programas que a IBM oferece para capacitar profissionais com perfil de liderança. A gestão de talentos tem sido um tema cada vez mais debatido não somente nos círculos de RH, mas entre os gestores dos mais diversos departamentos. Identificar, desenvolver, incentivar e reter talentos se tornou um desafio para qualquer

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por