Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

* por Andriei Gutierrez, Gerente de Relações Governamentais e Assuntos Regulatórios da IBM Brasil
Você já parou para pensar que o seu smartphone tem mais informações suas e da sua família do que a sua própria casa? Já refletiu sobre o potencial nocivo que uma invasão e roubo dos dados nesse pequeno aparelho podem ter para sua vida?
Afinal, quase tudo está lá: o que você pensa, fala, escreve, informações financeiras, contatos de familiares, senhas de bancos, de email, de redes sociais, fotos que levam consigo os dados de quando e onde foram tiradas. Um belo estrago se essas informações caíssem em mãos mal-intencionadas!
No mundo dos negócios as preocupações não parecem ser menores. Dados sensíveis de clientes precisam ser protegidos, transações financeiras são feitas diariamente, funcionários trocam e armazenam informações estratégicas.
Imagine a responsabilidade de um chefe de Estado. Que tipo de informações ele usa, armazena, transfere? Sem dúvidas, os danos de um vazamento de dados nesse nível podem ter grandes dimensões e afetar muita gente. Acredite, isso pode acontecer! :-)
Hackers da China recentemente invadiram a agência americana encarregada da gestão de pessoal do governo e roubaram cerca de 22 milhões de arquivos com informações sensíveis de funcionários públicos federais. Há pouco mais de uma semana, o email pessoal do próprio diretor da CIA foi hackeado e documentos de estado foram vazados na internet. Entre as novas modalidades de crimes cibernéticos está o sequestro de arquivos digitais. Seus dados ficam sequestrados e, caso você não pague o resgate em até 72 horas, são apagados. Enfim, a criatividade humana é sem limites, para o bem e para o mal.
Mas como, então, pode o cidadão comum, o empresário, o chefe de Estado se protegerem na era digital?
Se tem uma grande lição que aprendemos com essa nova era é que ela atropela fronteiras políticas. É preciso proteger os dados e as comunicações. Isso é inquestionável. Mas os fatos estão mostrando que os mecanismos tradicionais de proteção estatal não têm mais a mesma eficácia que tiveram no passado.
É importante termos uma estratégia nacional de segurança cibernética, com recursos e pessoal capacitado, como já discutido no nosso THINKPolicyBrasil #1. Igualmente de grande relevância é termos marcos legais para a proteção à privacidade, tema do nosso THINKPolicyBrasil #2. Os ataques cibernéticos, todavia, evoluem rapidamente. Seu combate deve evoluir no mesmo passo. Não deixa de ter razão o ex-ministro sueco Carl Bildt em sua afirmação recente de que a segurança no mundo digital está na tecnologia, não na geografia.
Nos dias atuais, a prosperidade econômica tem se ancorado cada vez mais no livre fluxo de dados. A seu modo, a prosperidade política também, a exemplo das experiências democráticas na Estônia e do avanço dos conceitos de governo eletrônico e governo móvel. Mas como garantir a segurança nesse contexto no qual os dados, mesmo os mais sensíveis, estão em toda a parte, cruzam os oceanos por cabos submarinos e podem ser acessados de qualquer lugar na nuvem?
Longe de querer esgotar o tema, e como otimistas tecnológicos que somos, acreditamos que a solução passa por investimentos em desenvolvimento de novas tecnologias de proteção e segurança. Tecnologias que têm hoje seu desenvolvimento limitado mais por questões humanas e de mentalidade do que propriamente técnicas.
A criptografia, por exemplo, tem se mostrado um eficiente mecanismo de proteção de dados, de transações e de comunicações. Os governos e a sociedade precisam enxergá-la como uma importante aliada que deve ser protegida e estimulada por políticas públicas específicas. É preciso confiar, acreditar e fomentar esse tipo de tecnologia.
Novos conceitos produtivos também têm se firmado progressivamente como importantes elementos para a mudança de mentalidade, tais como o de Privacy by design e Security by design. É de altíssima relevância que a proteção à privacidade e à segurança estejam presentes já na própria concepção e no desenvolvimento de produtos e serviços, do início ao final do processo produtivo. Boas práticas corporativas, como essas, devem ser cada vez mais encorajadas e estimuladas.
A nova era digital necessita um novo cidadão digital, um novo executivo digital, um novo governante digital. É preciso que cada um tenha as condições de exercitar sua cidadania digital em plenitude, com zelo à privacidade e à segurança. E essa mudança de mentalidade deve começar aqui e agora, de modo a valorizar e estimular o desenvolvimento de escudos digitais.
* Este post foi desenvolvido com base no texto Preserving the Integrity of Encryption, de Andrew Tannenbaum, IBM Cybersecurity Counsel. Faz parte da série THINKPolicyBrasil, que agrupa a nossa visão sobre políticas públicas para assuntos vitais para o futuro do comércio, da inovação e da sociedade brasileira.

Artigos Relacionados

15 dez
IoT + Computação Cognitiva: mil cientistas, programadores e pesquisadores juntos para extrair conhecimento de “coisas”
Geral // 1

*Por Maria Fernanda Espinosa A Internet das Coisas já é uma impactante realidade em nossas vidas. É comum nos depararmos com equipamentos que “conversam” entre si para comunicar um período de manutenção ou até para economizar energia. Tem muito médico por aí integrando informações em sistemas para compartilhar diagnósticos de pacientes! E essa história não

23 jun
O futuro da programação
Geral // 0

Diferente de algumas áreas que estão perdendo o espaço em um mercado cada vez mais digital, os desenvolvedores possuem uma grande vantagem: conhecem como funciona toda lógica por trás de todo e qualquer sistema que usamos no dia-a-dia. É com eles e por causa deles que tudo em nossa volta funciona, seja no acesso aos apps do nosso

30 ago
Três razões para celebrarmos a chegada do Watson Oncology ao Brasil
Geral // 0

*Por Claudio Ferrari – “If you cannot measure it, you cannot improve it.” (Sir William T. Kelvin , Matemático, Físico e Engenheiro – 1824 – 1907) O lançamento do Watson for Oncology marca a chegada da computação cognitiva aplicada à saúde no Brasil. Temos três boas razões para comemorar esse novo momento da medicina. 1. Poderemos ser

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por