Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*por Mariana Lemos
Mais uma vez, um novo ano bate à nossa porta. Não teria como ser diferente. Há os que comemoram o famoso período “das festas”, há os que simplesmente não ligam para isso, mas é fato que um novo calendário em breve estará em nossas mesas de trabalho, mais lotado que nunca, como sempre.
Parece que o tempo está passando mais rápido! E isso pode estar acontecendo de fato, segundo alguns físicos e algumas seitas, mas o assunto não vem ao caso agora. O número absurdo de informações e afazeres que nos rodeia já basta para sentirmos que o tempo passa cada vez mais rápido. No fim, nos resta fazer uma escolha: ou controlamos a vida ou a vida nos controlará.
Pois bem, com um novo calendário inauguramos novos ciclos, novos projetos, novas oportunidades… Tudo novo de novo – ou nem tão novo assim. No fundo sempre queremos ser pessoas melhores. E no mundo corporativo as coisas funcionam do mesmo jeito!
Em 2015 a IBM deixou sua marca de várias maneiras, mas de longe a mudança mais significativa que vivemos foi seu novo posicionamento de mercado, o Cognitive Business – ou Negócios Cognitivos. Em simples palavras, a Big Blue entendeu que a Computação Cognitiva, liderada pelo Watson, se tornou o supra-sumo que uma companhia de inovação e tecnologia pode oferecer ao mercado nos próximos anos. A ideia é que estes sistemas, a partir da profunda interpretação de dados não estruturados, consigam ampliar nossa capacidade cognitiva, nos ajudando a construir melhores sociedades, cidades, médicos, cientistas, empresários, professores e profissionais em geral. Neste sentido, Cloud, Analytics, Mobile, Social e Segurança (o famoso CAMSS) são os viabilizadores desta transformação.
Watson já aprendeu português. E o Bradesco nos ajudou a ensiná-lo para que possa ser um expert em seu call center. E…. tão importante quanto desenvolver novas tecnologias é compartilhar conhecimento sobre elas. Por isso, a IBM fechou parcerias esse ano com ESPM, Insper e Mackenzie para levar o tema Computação Cognitiva para a sala de aula. Afinal, são esses alunos que levarão tudo isso a diante, não?
A Inovação continua sendo prioridade, óbvio! Todo ano, US$ 6 bilhões são investidos em Pesquisa & Desenvolvimento no mundo todo. Há 22 anos a IBM é líder em registro de patentes. São mais de 8 mil inventores, sendo 3 mil cientistas em 12 laboratórios distribuídos pelo mundo. Estamos falando de uma  série de ações ousadas durante todo o ano, que apontam para uma estratégia bastante clara, que inclui a mudança de uma empresa de TI para a era da cloud, oferta de solução de dados e analytics para transformar as indústrias ao redor do mundo.
O Think Lab – que vai colocar empresas e cientistas na mesma sala para resolver problemas e criar inovação – é a maior prova que a IBM entendeu que precisa ser ágil e multifunção para levar resultados rápidos ao mercado. Trabalhamos com engenheiros, comunicadores, antropólogos, médicos, professores de diversas áreas, e por aí vai…

O que mais? Teve chuva de bitcoins na Campus Party, teve IBM School, teve inauguração do Data Center SoftLayer (o segundo DC de cloud da IBM no país), teve o Hackatruck, que simplesmente é um caminhão que vai rodar o país ensinando programação. Tudo para mostrar o quanto a tecnologia pode transformar nossas vidas e os negócios do nosso país. E agora, há poucos dias, uma outra ótima novidade para o nosso país! Teremos um centro de IoT por aqui. Sim, internet das coisas + computação cognitiva juntas. Leia mais aqui.No fundo, lá no fundo, ano vai, ano vem… E a IBM segue melhorando para melhorar. Melhorar empresas, negócios, cidades e a sociedade. 2016 está aí para isso!

Em tempos de virada, nada mais justo que ouvir a história do IBMista mais família dessa empresa…

Explico, o Quinho – como é conhecido aqui na IBM – é nada mais, nada menos que neto de um IBMista e filho de um IBMista, ambos com mais de 25 anos de “casa”.Conversei com ele na semana passada e a frase mais legal que ele falou foi: “em 3 gerações da minha família que passaram por aqui tenho certeza que ainda não absorvi todo o conhecimento que existe na empresa”.  Sim, ele é modesto, porque supera TODAS as metas de venda que lhe são dadas. O segredo? Trabalho em equipe! Por conta da IBM, ele já mudou do Rio para São Paulo (e diz que gosta muito!), da área de finanças para a área de vendas… O que mais vem pela frente?

Ah, o Quinho tem ótimas memórias de Natal relacionadas a IBM, olha só!

                        

Agora, a pergunta que não quer calar: será que os filhos dele também vão seguir o caminho da tecnologia? Quinho diz que o filho mais velho tem bastante gosto pelo assunto, mas quem vai dizer isso é o tempo.Pois é, a IBM continua se transformando, transformando o mercado e a sociedade…  A família do Quinho continua ajudando a construir a IBM e por aí vai… Porque tudo muda o tempo todo no mundo, como diz Lulu Santos! Ficou com vontade de ouvir essa música? Eu também. E na voz do Caetano Veloso. 

Até 2016!

Artigos Relacionados

09 jun
O seu banco cuida da sua experiência?
Geral // 0

Quando você está próximo dos 30 anos sua cabeça e sua carteira começam a ficar mais conscientes. Ou é isso ou estamos fadados a viver de forma um pouco desconfortável na velhice. Bem, como estava me aproximando desta idade tão famosa de Balzac, fui atrás de algumas formas de investimento. Fiquei um pouco contrariada com

21 fev
Um passeio pela Garagem 11.57
Geral // 1

O setor de tecnologia vive um importante momento de transição. Enquanto muitas empresas ainda apontam seus modelos de negócio para a chamada “Era da Programação”, outras companhias já começaram a explorar os benefícios que o futuro pode trazer – e ele tem um nome: A Era dos Negócios Cognitivos. E foi pensando nesta transformação que

31 jul
O Watson pode se tornar o melhor amigo do homem?
Geral // 0

Se depender dos avanços da tecnologia, sim. A relação entre os homens e os computadores será cada vez mais próxima graças à computação cognitiva, que permite que os sistemas se “tornem” cada vez mais humanos. Antes, o papel da computação era a automatização de tarefas e aumento da velocidade de transações, mas, agora, os sistemas cognitivos tornaram o computador uma peça-chave para melhorar a nossa capacidade

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por