Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa

A Internet das Coisas já é uma impactante realidade em nossas vidas. É comum nos depararmos com equipamentos que “conversam” entre si para comunicar um período de manutenção ou até para economizar energia. Tem muito médico por aí integrando informações em sistemas para compartilhar diagnósticos de pacientes! E essa história não vai parar por aí… De acordo com dados da IDC, até 2020 mais de 29 bilhões de dispositivos estarão conectados.

O problema é que uma grande parte dessas informações raramente é analisada a ponto de gerar conhecimento. Imagina se fosse possível tomar uma decisão inteligente baseada em insights de dados que vêm de máquinas e objetos conectados? Bem, é possível. Se unirmos a computação cognitiva à Internet das Coisas conseguimos integrar um volume absurdo de dados com a inteligência cognitiva, gerando subsídio para tomar decisões em sistemas de tráfego, saúde, varejo, energia, cidades, por exemplo.
Para atender a este mercado crescente, a IBM inaugura hoje a sede da unidade de Watson IoT (Internet of Things – Internet das Coisas, na tradução livre) em Munique, na Alemanha. O objetivo é que essa unidade seja uma intersecção entre computação cognitiva e Internet das Coisas. A ideia é que ela abranja uma série de novas ofertas desenhadas para estender o poder da computação cognitiva para bilhões de serviços conectados, sensores e sistemas que compreendam a Internet das Coisas.

 

Para completar a Big Blue também anuncia um Centro Global de Experiência do Cliente em Internet das Coisas em São Paulo, que dará aos seus clientes e parceiros, acesso à tecnologias, ferramentas e conhecimento para desenvolver e criar novos produtos e serviços dentro da Internet das Coisas cognitiva. Além da capital paulista, outros locais também receberão um centro, como Beijing, Seoul, Tokyo, Massachusetts, Texas e Boeblingen.
Serão mil cientistas, pesquisadores e programadores que vão oferecer um engajamento profundo para clientes e parceiros de negócios, além de servir como laboratório para cientistas de dados, engenheiros e programadores criarem novas soluções. As novas ofertas do centro entregarão as APIs do Watson e estarão disponíveis por meio da plataforma de nuvem Watson IoT, que auxiliará na administração de um grande volume e variedade dos dados.
O que isso muda para as empresas?
Sistemas de computação cognitiva colocam todos os tipos de dados coletados em dispositivos conectados dentro de um contexto, permitindo que eles façam sentido e direcionem importantes tomadas de decisão. Estes sistemas podem pensar, aprender, apresentar hipóteses, argumentos fundamentados e dar recomendações.
A IBM também aproveita o momento para anunciar a colaboração com empresas, entre elas, a Airbus, que vai digitalizar seus negócios e obter insights sobre voos, controle e eficiência de abastecimento de aeronaves etc. A Siemens também está criando novas soluções para aprimorar seu gerenciamento de energia e sustentabilidade para construções, que correspondem por 40% do consumo de energia do mundo todo.
*Esses anúncios fazem parte do investimento de US$ 3 bilhões em Internet das Coisas que a IBM fez em abril de 2015, que aceleraria seus esforços no mercado, no qual espera atingir US$ 1,7 trilhão até 2020. Para completar seu poder no desenvolvimento deste mercado, a companhia anunciou, em outubro, a aquisição da The Weather Company, que permitirá a coleta de um grande volume e variedade de dados, que serão arquivados, analisados e vão permitir a produção de insights por meio da plataforma Watson.
Como a IBM trabalha com a Internet das Coisas? Conheça mais:

 

 

Artigos Relacionados

09 ago
Nintendo Wii, Pokémon GO e Ivete Sangalo. O que um tem a ver com o outro?
Geral // 0

*Por Mariana Riscala – Quem nunca se viu de pé em frente à televisão dando soquinhos no ar, se esquivando, abaixando, pulando e dando tacadas para lá e para cá? Era assim que ficávamos quando íamos jogar boxe, tênis ou boliche no Wii Sports, um dos jogos mais vendidos do console da Nintendo, com mais

14 jan
Além da eureka, patentes protegem as boas ideias
Geral // 0

*Kelly Bassi e Mariana Lemos Pelo 23º ano consecutivo a IBM é a empresa que mais teve patentes concedidas nos Estados Unidos pelo USPTO, órgão onde é registrada a maior parte das invenções no mundo. Em 2015, a Big Blue teve 7.355 patentes concedidas, sendo que, destas, 2 mil são da área de computação cognitiva

23 out
Você é professor, aluno ou pesquisador de TI? Temos materiais específicos para vocês!
Geral // 0

Você sabia que a IBM possui uma área focada no desenvolvimento de professores, estudantes, pesquisadores e profissionais de TI? Sim! Aqui nós trabalhamos com ações em universidades parceiras – por meio de palestras, workshops e eventos -, visitas técnicas nas unidades da empresa, certificação profissional, conteúdo didático para profissionais da área, entre outros. Durante os posts das próximas semanas, falaremos um

Comentários

Anônimo
15 de dezembro de 2015

De fato “Computação Cognitiva” impulsiona IoT (Internet Of Thinks), sem precedentes, propiciando um verdadeiro processo de inovação e transformação nas organizações. A presença no Brasil de um dos “IoT Client Experience Center”, permite que clientes e ecosistema de parceiros, tenham acesso a soluções mundiais combinando Computanção Cognitiva e IoT; além do desenvolvimento de soluções para as demandas específicas do mercado Brasileiro! Estado da arte da tecnologia disponível no Brasil!
Tunes

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por