Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa
Imagine a seguinte situação. Você agenda as tão sonhadas férias para os Alpes Suíços. Agora, só falta comprar roupas de frio e adereços para sobreviver às baixas temperaturas. O ideal é pesquisar bastante sobre preços e oportunidades para não cair nas famosas pegadinhas do mercado. Huummm… Quem poderá te ajudar nessa missão, dando dicas sobre vestimentas e acessórios de qualidade que se encaixem no seu orçamento?
A internet conectou o mundo inteiro. Queiramos ou não, já vivemos uma era na qual a tecnologia nos ajuda nas tomadas de decisões e contribui para um atendimento cada vez mais personalizado aos consumidores. Cada cliente é um universo. É até engraçado pensar que algumas companhias ainda não entenderam que conseguem, por meio de um mapeamento de comportamento de compras e pelas informações que você gera e curte nas redes sociais, ofertar oportunidades que conquistariam e fidelizariam clientes. De passagens aéreas a livros interessantes para as longas horas de viagem, ou mesmo uma almofada para acomodar sua cabeça enquanto descansa. Na verdade, esse seria o cenário perfeito! Mas nem todos os varejistas estão utilizando tecnologias que ajudam a direcionar ofertas individualmente e personalizadas.
Sim, nem tudo são flores… E temos acompanhado um cenário desafiador para o lojista brasileiro. Não é preciso ter bola de cristal para saber que sobreviverá quem se tornar mais eficiente no atendimento personalizado ao cliente, “abocanhando” uma parcela maior do mercado e também investindo suas forças na gestão, controle, pessoas, operação e redução de custos, combatendo o desperdício e reavaliando e melhorando os processos, para desenvolver um negócio sustentável. Se coloque no lugar da pessoa que vai para os Alpes. Ela não será a primeira e nem a última a ir para lá, mas ela quer um atendimento personalizado. É o que todos nós queremos, não? Nesse sentido, o mercado precisa investir no desenvolvimento de produtos, ambiente de lojas e mensagens direcionadas, seja num mundo on ou offline. Depois da internet e do analytics, só não sabe o que um cliente quer o varejista que não investe em TI.
Em poucos anos a análise de dados (Analytics) será o carro-chefe das operações de varejo, pois conseguirá mapear as condições dos comércios possibilitando as melhores tomadas de decisões, tanto para dentro, quanto para fora, na captação e retenção de consumidores. Pesquisa recente da IBM sobre inovação a partir desta tecnologia mostra que 64% dos líderes já estão utilizando Big Data & Analytics para inovar a experiência do consumidor, e 60% estão aplicando-os em estratégias de marketing e vendas.
A intersecção entre o digital e o físico vai continuar. Muitos comércios estão investindo em aplicativos com geolocalização para ofertar produtos e acompanhar o perfil de compra de seus consumidores. Outros, porém, podem explorar a computação cognitiva para interagir com o consumidor. O cliente que quer comprar casacos, por exemplo, pode entrar no site da North Face e contar para o Watson – sistema de computação cognitiva da IBM – o que ele quer. O Watson possui o incrível ‘dom’ de entender o que este cliente precisa, sugerir produtos e aprender com o feedback que ele dará sobre os produtos sugeridos. Loucura? Não. Lembram-se do famoso jargão: não é feitiçaria, é tecnologia? Pois é, acho que ele nunca irá morrer.
Nossa CEO Global, Ginni Rometty, explica exatamente o que estou tentando contar aqui no vídeo abaixo (em inglês). Olha só:
              
O pano de fundo para a maioria dos cases de sucesso no setor varejista foi o evento NRF 2016 “Retail’s BIG Show”, realizado em Nova York, de 17 a 20 de janeiro. Temas como engajamento, comportamentos de compra, personalização e tecnologias para inovar foram o ponto de discussão para a inovação. O evento também falou muito sobre os pequenos negócios, ressaltando a importância da adoção de tecnologias para aplicação de novas ideias e também para redução de custos e operações. A IBM participou do evento, mostrando para o mercado novas soluções de análise de dados, que vão aprimorar as operações, identificar melhores condições para o público-alvo e responder à dinâmica do mercado com maior precisão.
Ah, também descobri que há um APP feito pela IBM que usa algumas habilidades do Watson para ajudar consumidores a comprarem produtos diversos nos EUA, olha só. Próximos capítulos? Veremos em cada uma das nossas experiências como consumidores no varejo.

 

Artigos Relacionados

22 out
Priscilla e Lucas: o interessante casal de pesquisadores da IBM Brasil
Geral // 1

*por Mariana Lemos Há quem pense que trabalhar no mesmo lugar que seu grande amor pode ser um sonho. Há quem pense que pode ser um pesadelo. Bem, para tirar a dúvida, fomos conversar com a Priscilla e com o Lucas, um simpático casal que trabalha no Laboratório de Pesquisa da IBM Brasil. Os dois

14 out
Como a inovação aberta chega até nós?
Geral // 0

*Por Kelly Bassi Toda vez que me deparo com um desafio costumo dividi-lo com alguém próximo à situação. Minha expectativa é que essa pessoa ajude com alguma contribuição, pois sempre ouvi que “duas cabeças pensam melhor que uma”. Sábio ditado popular! Tão útil que vem sendo usado pelas empresas que trabalham com o conceito de open innovation, em português, inovação aberta

16 jun
Computação Cognitiva é a nova vantagem competitiva do mercado financeiro
Geral // 0

*por Mariana LemosMais um ano de CIAB. Em um grande pavilhão do Expo Transamérica, muitas empresas de TI montam seus estandes para mostrar ao ‘mundo’ das finanças como suas soluções de tecnologia podem revolucionar os negócios. Ou, como a tecnologia ajudará companhias a reconstruírem e a reinventarem seus negócios para atenderem os consumidores da era

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por