Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Juliana Setembro

Toda mudança pode ser assustadora. Mas é apenas por meio dela que evoluímos. Veja a tecnologia. Ela é algo vivo e sempre possibilitou grandes transformações na sociedade. Hoje, temos os wearables, que fazem com que a TI se torne, praticamente, nossa segunda pele. Ou os smartphones, que já se transformaram em uma extensão das pessoas.
Nós somos a tecnologia, nós a moldamos e a programamos. E ela, por sua vez, nos transforma. Nós construímos a tecnologia e ela nos (re)constroi e trabalha em nosso favor em um mundo cognitivo. Mas é o ser humano quem faz a grande diferença neste processo. É o composto humano que traz o diferencial em qualquer processo de mudança. Nós fazemos acontecer. Por isso não vou falar especificamente de tecnologia no post de hoje, mas de pessoas, de colaboração e engajamento. E como estas palavrinhas mágicas, nas mãos de cada indivíduo, podem transformar comunidades, salvar vidas e levar conhecimento aos quatro cantos do mundo. Sim. Isto acontece e está acontecendo neste exato instante.
Estamos presenciando um momento sem precedentes, no qual o futuro da tecnologia e dos negócios está sendo moldado pela experiência digital, social business, computação cognitiva. A era dos Cognitive Business onde o sucesso não será mais definido pelos dados, mas por como nós podemos aprender com eles e dominá-los. Sim. Novamente falamos de pessoas. Pessoas engajadas estão rompendo as barreiras profissionais e redefinindo a forma com a qual trabalhamos e nos conectamos uns com os outros. Pessoas que fazem todo o momento valer a pena. Quer saber como? Vou contar três histórias inspiradoras aqui.
Na África, o engajamento foi capaz de conectar agricultores e possibilitou um máximo aproveitamento das atividades rurais de toda uma nação. Com ferramentas de colaboração, produtores e empreendedores rurais do Leste Africano podem agora se comunicar uns com os outros ao longo de regiões geograficamente dispersas, fechar negócios, rastrear pagamentos e descobrir novas oportunidades para aumentar a renda de pequenos agricultores que, agora, podem obter novos insights para definir suas estratégias de inventário e precificação – algo até então impossível para eles. A colaboração melhorou suas vendas e transformou a vida de milhares de pequenos negócios rurais ao longo da região.

 

O caso inspirador é o do Texas Children’s Hospital, uma instituição com mais de 60 anos de tradição, 95 mil funcionários e que atende a 2.6 milhões de pacientes todos os anos. Eles enfrentavam um grande desafio: conectar médicos, enfermeiras, administradores, parceiros e todo o ecossistema que trabalha em mais de 60 postos distintos da instituição – tudo isso 24 horas por dia. Com tecnologia de social business e com a criação de um Portal de Internet eles foram capazes de criar comunidades e grupos multidisciplinares de estudo que permitiram aproximar pacientes do corpo clínico. Possibilitou trazer um lado mais humano para os serviços prestados pela instituição de saúde. Hoje, por meio de métricas, o hospital é capaz de entender, em tempo real, sua demanda e capacidade diária de funcionamento, o que permite com que ele atenda a todos os pacientes que batem à sua porta.
E por último gostaria de compartilhar o vídeo do projeto SocialStudent, que ajudou a estudantes de duas universidades norte-americanas – a USC (University of South California) e a University of Arizona -, e uma finlandesa, Aalto University, a colaborarem entre si e trabalharem em conjunto. Com tecnologia de mobilidade e colaboração do IBM Connections os estudantes ganharam flexibilidade para trabalharem juntos, independentemente de sua localicação geográfica. Veja no vídeo abaixo o depoimento dos próprios alunos, que mostram como as capacidades de colaboração têm moldado suas carreiras e formas de pensar.

 

Quer saber mais sobre o que falamos aqui? Estes links possuem detalhes
sobre o tema e os projetos!

 

Artigos Relacionados

01 maio
Elementar, meu caro
Geral // 0

*Por Bruno Favery – Um antigo provérbio diz: se quiser ir rápido, vá sozinho. Se quiser ir longe, vá em grupo. Esta velha máxima se encaixa muito bem na lógica de raciocínio que trago nas próximas linhas e, acredite, tem tudo a ver com o futuro da tecnologia e com a era cognitiva. Se avaliarmos

23 jun
O que a máquina de batata chips tem a ver com blockchain?
Geral // 0

 *Por Bruno Favery, Maria Fernanda Espinosa e Kelly Bassi   Que o blockchain ainda é um mistério a ser desvendado pelo mercado, isso com certeza é. Antes achávamos que se tratava de, traduzindo ao pé da letra, uma cadeia em blocos focada em troca de valor financeiros. Hoje, durante palestra do CIAB, descobrimos que não

26 ago
Como construir uma casa pode ajudar a entender o Watson Analytics?
Geral // 0

* Por Kelly Bassi e Maria Fernanda Espinosa – O que precisamos para construir uma casa? O tijolo! Sim, por mais óbvio que seja, sem ele não há paredes ou tetos. Mas onde queremos chegar com esse papo de construção? Queremos explicar definitivamente a diferença entre Watson e Watson Analytics – sim, são soluções diferentes,

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por