Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*por Mariana Lemos

O ano mal começou e já sinto que se passaram seis meses. Se deslocar em São Paulo #nãotáfácil, então peguei trânsito e cheguei atrasada para assistir a final do ‘Guru Eletrônico’ – Hackathon que o Olhar Digital promoveu no Mackenzie – SP nos dias 2 e 3 de Fev.

Ainda bem que já existem aplicativos como o Waze, que nos ajudam a driblar o trânsito com rotas alternativas (só que isso só funciona quando você USA! risos). Bom, como esse blog não serve de ‘muro das lamentações’, vamos direto ao ponto!
Aplicativos, ó, lindos aplicativos, que entraram em nossas vidas sem pedir licença e nos conquistaram com as mágicas tecnológicas que fazem todos os dias. Agora falando sério, tem APP pra comprar ingresso de cinema, pra pagar conta, pra pagar mais barato em restaurantes, para vender roupa usada, pra fazer playlists… E a lista vai longe! Os aplicativos são verdadeiros facilitadores da rotina humana, por isso os amamos! <3
Pensando em surfar a onda dos aplicativos, o Olhar Digital resolveu reunir mentes brilhantes em um Hackathon para facilitar a vida de quem quer comprar produtos eletrônicos e não sabe qual device escolher, por isso o nome do evento: ‘Guru Eletrônico’. O objetivo era promover uma competição entre grupos formados por programadores, designers, e demais profissionais do mundo de desenvolvimento. Os 3 criadores dos três primeiros APPS ( a banca de jurados era “de peso”) ganhavam prêmios  e um reconhecimento todo especial.
Deu pra entender mais ou menos o que é um Hackathon? São maratonas de programação de software. Desafios com um tempo limite para serem cumpridos e julgados. Normalmente os Hackathons são lançados para que se crie uma inovação – de preferência útil! Esse termo é uma união das palavras “hack” ( que significa programar de forma excepcional) e “marathon” (maratona).
O Hackathon do Olhar Digital me surpreendeu positivamente. Cheguei a tempo de assistir as apresentações das versões finais dos aplicativos e o nível foi alto. A banca de jurados não aliviou nas críticas e soube reconhecer os pontos fortes de cada grupo. Senti que todo mundo deveria aprender a programar suas ideias malucas, que lá no fundo sempre têm algum fundamento.
Gravamos esse vídeo para mostrar mais ou menos o que rolou por lá. Vale a pena ver.

O Bluemix – plataforma de programação na nuvem da IBM – foi a grande sensação do evento, porque deu aos participantes a possibilidade de desenvolver o APP de forma rápida e simples. Até quem nunca tinha ouvido falar na plataforma conseguiu trabalhar bem nela – e com acesso ao Watson, diga-se de passagem.
Há quem goste de Hackathons, há quem odeie e há quem seja indiferente, mas o que não podemos negar é que criar aplicativos nos eleva a um patamar de donos de nossas próprias ideias. Ontem eu vi universitários com habilidades de criar e vender suas próprias inovações, que podem solucionar problemas importantes (ou não, claro) no mundo todo.  Se isso não é o futuro, eu não sei o que é.

Vejam mais detalhes sobre o evento na cobertura do Olhar Digital, aqui!

 

Artigos Relacionados

29 maio
O que os provedores de telecom podem aprender com os clientes
Geral // 0

Você se recorda quantas vezes ouviu que o cliente é o foco das empresas hoje? Aqui mesmo já falamos sobre a reinvenção da experiência como consumidor. Apesar disso, um estudo conduzido pelo IBM Institute for Business Value revelou que 70% dos executivos de prestadoras de serviços de comunicações acreditam que não têm grande entendimento sobre seus usuários, o que reflete

14 ago
Como o chip que imita o cérebro pode revolucionar a computação
Geral // 0

Na semana passada, a IBM anunciou em um artigo publicado na Revista Sciense que desenvolveu um chip que simula a maneira com que a mente humana reconhece padrões. Chamado de True North, o chip usa energia equivalente a um aparelho auditivo comum e pode, eventualmente, desenvolver cálculos que desafiam supercomputadores hoje. O projeto foi desenvolvido

21 set
Como funcionam os wearables nas competições esportivas?
Geral // 0

Com o fim das Paralimpíadas damos adeus ao maior período esportivo do nosso país. Triste? Muito. Porém, esse é o melhor momento para aprendermos sobre como o esporte está utilizando a tecnologia para aprimorar a performance de atletas antes, durante e depois das competições. Vamos começar com um exemplo paralímpico: já ouviu falar no método que

Comentários

Flávia Dias Carvalho
5 de fevereiro de 2016

:)

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por