Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*por Mariana Lemos e Mayara Soares –

Atire a primeira pedra quem nunca sonhou que passou uma noite na escola, no shopping, no supermercado ou na empresa. É um misto de ansiedade e liberdade… Parece que tudo é possível e proibido. Bem, nós passamos uma noite na IBM – e não foi sonho, nem pesadelo. Aliás, não estávamos sozinhas. Na noite de 16 para 17 de abril de 2016, sábado para domingo, mais de 250 pessoas estavam nas dependências da IBM Brasil, em São Paulo. Uma festa? Maaaais ou menos.  O que acontece é que há 3 meses, a IBM contratou uma funcionária um tanto quanto diferente, a Márcia Golfieri. Ela chegou cheia de sonhos, ideias, contatos… E carregava nada mais, nada menos, que a maior maratona de hackathons do mundo, o Angelhack.

A gente sabe que hackathons estão na moda, mas esse aqui foi diferente. Tinha uma energia muito boa e profissionais incríveis envolvidos, de fora e de dentro da IBM.

Vamos aos detalhes – Como tudo começou

Às 5 da manhã já tinham pessoas na fila, ocupando a calçada da Rua Tutóia, esperando a abertura dos portões. Às 9h, todo mundo já estava devidamente identificado, cadastrado e pronto para o desafio! Eram 220 participantes, 40 voluntários e 60 mentores formando equipes multidisciplinares –  comunicação, design, negócios, TI….  O Angelhack na IBM estava acontecendo!

O desafio estava lançado e eles teriam até 13h do domingo para publicar não apenas uma ideia, mas sim o app devidamente desenvolvido e com o mínimo de funcionalidade. Ulisses Melo, diretor do laboratório de pesquisa da IBM Brasil, fez questão de reforçar o propósito dessa iniciativa “Como diretor do Centro de Pesquisa entendo que o recurso humano é a coisa mais importante que a gente tem. E da orgulho  ver um grupo de pessoas, num sábado de manhã, disposto e gerando ideia e inovação. É o que precisamos para transformar a sociedade”.

Durante essas 30 horas rolou muito mais que programação. Tivemos pizza time, video-game, karaokê, dj, pebolim, e por aí vai… Até que o momento ficou sério. Das mais de 40 equipes formadas,  16 conseguiram submeter o código e  puderam passar pela primeira berlinda – o juri técnico – e apresentaram sua ideia em dois minutos. E depois foi a hora de encantar outros doze jurados: Marcelo Tas, Diego Remus, Marcelo Porto, Luis Liguori, Sérgio Risola, Roberto Matsushita, Keiji Sakai , Marcelo Pimenta, Wagner Fabiano, Adelmo Eloy, Denis Russo e Marco Gomes. As equipes tinham 4 minutos para mostrar que suas ideias eram criativas, viáveis,  inovadoras e com impacto social. Dos 16 projetos apresentados, 9 utilizaram IBM Bluemix como plataforma de desenvolvimento e 7 incrementaram seus apps com funcionalidades do Watson, sistema de computação cognitiva da IBM.

Vencedores

Todos os projetos foram muito aplaudidos, mas o vencedor da categoria Social, arrancou assobios: o app Magrela. A ideia era simples: sua pedalada inteligente. O aplicativo basicamente mostra as melhores rotas de bike em São Paulo, considerando ciclovias, aspecto do asfalto e grau de dificuldade, entre outras variáveis. A Magrela foi pensada em três níveis – gadget, hardware e software e  funciona como um navegador colaborativo, que conversa com o dispostivo que você  pluga na sua bike. Temos aqui um a espécie de Waze das bicicletas-  e ele passa a mandar orientações via audio do melhor trajeto.

magrela

Criadores do app Magrela l Foto: Pedro Pavanato

O vencedor na categoria Bluemix (que é a plataforma de desenvolvimento na nuvem da IBM) seguiu uma linha parecida. O Divanum é um site de apoio emocional e de prevenção de suicídio. A proposta é que as pessoas entrem no site para discutir o que estão sentindo com profissionais voluntários. A conversa pelo chat começa com uma triagem realizada pelo Watson que, depois de entender o problema, direcionaria o usuário para ser atendido por um profissional mais indicado. Por exemplo, se o usuário fala em suicídio, o Watson detectaria o problema e essa questão seria tratada por um psiquiatra.

Criadores do app Divanum l Foto: Pedro Pavanato

Mas o grande vencedor da noite foi o app MIMIMI, inspirado na coisa que mais gostamos de fazer: reclamar. O grupo criou uma aplicação que personaliza e satiriza nossos desabafos diários, respondendo com bom humor quando comentamos nossos problemas ou buscamos soluções pra eles. O usuário posta a sua reclamação e o Mimimi responde à queixa de maneira divertida. Por exemplo, o usuário diz “Estou entediado” e o app responde “esse problema é só seu”. O app utilizou a API Natural Language Classifier do Watson e, segundo o time vencedor, o que deixou a app mais inteligente foi o intensivo treinamento durante as horas do hackathon.

mimimi

Criadores do app: MIMIMI Foto: Pedro Pavanato

Para finalizar

Mauro Segura – Diretor de Comunicação e MKT da IBM – fez esse vídeo que resume bem o que rolou dentro da Big Blue nessas últimas 24 horas.

Não é a toa a grande aposta em hackathons, tanto pra quem organiza, quanto pra quem participa. Inovação não pode ficar só no discurso, inovação é sair do senso comum todos os dias. Pra fazer inovação é preciso estar disposto a tentar e falhar. Quantas vezes forem necessárias. E neste contexto a soma homem+máquina não poderia ser melhor. Nós pensamos, os códigos, softwares e plataformas treinadas por nós executam e aperfeiçoam nossas ideias e projetos. Automatizam. Otimizam. Escalam. Sistemas conseguem ultrapassar nosso limite físico e alavancar nossa imaginação. O Angelhack foi a prova viva disso!

*E pra quem ainda tiver fôlego para absorver mais conteúdo, fica a dica do excelente artigo do Ricardo Kubo.

*Ah, o evento também saiu no Startupi!

Mais fotos =)

Ah, vale dizer o Presidente da IBM Brasil passou seu domingo lá e estava bem feliz de ver a empresa habitada por tanta gente jovem e talentosa.

FOTOS | Pedro Pavanato

Artigos Relacionados

24 ago
7 dicas para ser uma pessoa mais produtiva
Geral // 0

*Por Maria Fernanda Espinosa – Eu sou uma pessoa que perde o foco fácil. Muitos emails, prioridades, conversas paralelas, notícias e … Pá! Quando vejo já me distraí com mais uma informação relevante. Sempre me cobrei muito por esse comportamento, mas cheguei à conclusão que isso não quer dizer que sou uma má profissional. Muito

18 jul
10 rápidos podcasts = tudo o que você precisar saber sobre Design Thinking
Geral // 0

Por Bruno Favery – O Design Thinking vem ganhando notoriedade em todo o mundo. Tanto que já até foi pauta aqui no TI+Simples. Como definição, é um novo jeito de pensar e abordar problemas ou, buscar por soluções. Podemos dizer que é um modelo de pensamento centrado nas pessoas, capaz de abrir as portas para a

15 jul
O que a antropologia ensinou para a tecnologia
Geral // 0

*por Mariana Lemos Você é ‘exatas ou humanas’? Esta famosa pergunta que remete à adolescência parece nos definir como pessoas por toda a vida. Quantas vezes você já escutou um “sou de humanas, não sei fazer cálculos”? Há quem pense que as inovações tecnológicas são criadas por uma série de engenheiros que usam óculos e

Comentários

Flávia Carvalho
18 de abril de 2016

Trabalho em equipe (haja equipe, rs) técnicos show de bola, time Angelhack super parceiro, várias barreiras quebradas. Foi ÉPICO!

Renan Tadeu
19 de abril de 2016

Estamos de Parabens !!!!

Tito Monteiro
19 de abril de 2016

O evento foi realmente diferenciado. Participei como VolunHacker. Postei minhas impressoes no LinkedIN. Parabéns aos organizadores. Abraços.

Gerson avante
19 de abril de 2016

Parabéns a todos participante !! Deve ter sido punk !!

Fabio Sobrinho
19 de abril de 2016

Que bacana!! Parabéns a todos!!!

Fábio Araújo
19 de abril de 2016

Muito legal!!
Tem que rolar um aqui no RJ 😀

Rodolfo Vicari Generato
19 de abril de 2016

Tive a honra de estar presente, deu gosto de ver a dedicação e empenho das equipes e a alegria estampada nos olhos dos organizadores. Parabéns a todos!!!

Elisabeth de Almeida
20 de abril de 2016

Parabéns a todos!

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por