Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa

Antes de eu contar como isso aconteceu, vou retroceder um bocadinho, mais precisamente até 1971, quando nasceu o e-mail – pelo menos é o que conta a história. Parece que o engenheiro americano, Ray Tomlinson, que inclusive faleceu no início de março deste ano, foi um dos criadores das mensagens eletrônicas. Tudo aconteceu na época em que ele trabalhava para uma companhia de pesquisas. Há rumores de que enquanto desenvolvia a primeira aplicação de comunicação por mensagens entre computadores, ele teria enviado o primeiro e-mail da história da humanidade.

O mais legal foi que ele aproveitou um símbolo do vocabulário da língua inglesa e o transformou em um padrão para indicar que o usuário de e-mail era proveniente de uma determinada instituição ou host de mensagens. Estou falando do famoso arroba (@).

Embora o engenheiro não se lembrasse do conteúdo da mensagem que enviou, ele mudou completamente a forma como as pessoas do mundo inteiro se comunicam, fazem negócios e interagem das mais variadas formas.

Essa movimentação toda me fez lembrar de um filme super antigo, o “Mensagem para você”, com Tom Hanks e Meg Ryan. A película conta uma história de amor e de desencontros. Naquela época, mensagens instantâneas via celular eram simplesmente inexistentes e quem tinha acesso ao computador, internet e email, era uma pessoa de sorte. Uma das partes que eu mais gosto do filme é quando a personagem da Meg diz: Eu ligo meu computador, me conecto – ela queria dizer discar, lembra da net discada? –, e minha respiração fica presa em meu peito enquanto eu leio três palavras: Você tem um e-mail!

Falando nisso, quantos e-mails você recebe por dia? Hoje, se a cada mensagem recebida prendêssemos a respiração, morreríamos sem ar!

you got an email

Recebemos milhares de correios pelo computador ou celular. São mensagens de todos os tipos e de vários remetentes. Isso porque vivemos conectados e a facilidade de ter as informações, literalmente, à mão, faz toda a diferença. Dentro das empresas o e-mail é um item indispensável e ao invés de morrer com o passar dos anos, ele melhorou –  muito – e foi se fundindo com outras ferramentas de comunicações, como as plataformas de mensagens rápidas acopladas, agenda, vídeos etc.

Hoje, em 2016, quando quero mandar uma mensagem rápida, uso whatsapp. Quando quero registrar um acordo, uso um email, e por aí vai… Na verdade, eu acabo usando o email para coisas – de fato – importantes (muita coisa, diga-se de passagem). Bem, não à toa a IBM integrou seu sistema de computação cognitiva Watson a sua plataforma de mensagens, o IBM Verse. Para quem não se lembra, em novembro de 2014, a Big Blue lançou mundialmente uma plataforma de comunicação inteligente, que entende as preferências e perfil do usuário do email para prover uma experiência personalizada e agilizar o trabalho de quem não quer e não pode perder tempo (vulgo eu, você, todo o universo, presumo).

A plataforma deu tão certo que os 400 mil profissionais da IBM do mundo inteiro a utilizam, além de alguns clientes, claro. Bom, para essa história toda ter um “felizes para sempre”, desde que o Watson chegou já começou a absorver conhecimento e analisar a rotina e o comportamento de quem escrevia emails na ferramenta da Big Blue. E então, ele se tornou um especialista no nosso networking! Em uma das experimentações na agenda, por exemplo, ele me questionou se eu gostaria de manter a reunião, pois duas de sete pessoas tinham declinado. Além disso, no envio de um e-mail, o sistema conseguiu dizer qual era o tom que eu estava dando para a minha mensagem. Explico: ele avaliou que eu havia sido agressiva e impaciente. Como? O Watson simplesmente consegue analisar todas as palavras de um determinado texto e dizer se aquele conjunto de letras demonstram um determinado tom emocional. E a cereja do bolo foi: o Watson me ofereceu ajuda. “Quer que sua mensagem seja mais positiva? Clique aqui e escolha alguns sinônimos.” Meu-Deus-morri!

Fiquei aqui pensando… Essa inteligência poderia ter ajudado os personagens do “Mensagem para Você” a se entenderem melhor!

Artigos Relacionados

18 set
Gigante IBM ajuda startups a decolarem SmartCamp 2015, o que rolou
Geral // 1

*por Mariana Lemos E se você tivesse apenas 5, cinco, C.I.N.C.O minutos para apresentar a ideia de sua vida? Aquele projeto que lhe faria dedicar todo o seu tempo, toda a sua energia, todos os seus neurônios. Humm… Tá fácil. Vamos piorar um pouco? Em inglês,  no auditório de uma das maiores empresas de tecnologia do

26 out
Insight 2015: Um evento para as vanguardas de Big Data
Geral // 0

*Por Maria Fernanda Espinosa Você já deve saber que análise de dados é hoje a base para a inovação nos negócios. Isso porque, por meio de dados, é possível entender, de fato, onde se está e onde se quer chegar, sem dar margem a “achismos”. Com frequência acompanhamos casos de companhias que transformaram suas operações

01 set
Os freios não param os carros!
Geral // 0

*Texto por Maria Fernanda Espinosa e vídeo por Bruno Favery Você leu o título e talvez tenha pensado: o povo de tecnologia só inventa. Aposto que agora criaram algum dispositivo incrível que em vez de fazer um carro parar, poderia fazê-lo, digamos, flutuar!! Quem dera, mas não! Na verdade, apesar de a física ser muito

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por