Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

*Por Maria Fernanda Espinosa

iron manQuem, quando leu o título, imaginou o Watson com uma arma na mão, uma máscara de Iron Man (meu herói preferido) e prendendo os vilões? Bom, vai ser maaais ou menos isso! A partir de agora, nosso caro amigo ajudará na luta contra o crime digital. Como parte de um projeto de pesquisa da IBM, ele ficará um ano aprendendo sobre o universo de segurança. Esta será a primeira tecnologia a oferecer cognição de dados de segurança em escala utilizando as habilidades do Watson para raciocinar e aprender por meio de dados não-estruturados. Traduzindoooo: Esse sistema de computação cognitiva que irá lutar contra o cibercrime foi especialmente desenhado para ter acesso a informações sobre novas ameaças, assim como recomendações de como pará-las, aumentando a velocidade e desenvolvimento dos profissionais de segurança.

Ele também terá mais superpoderes, utilizando técnicas de mineração de dados (ou data mining), que vai explorar grandes quantidades de dados para criar padrões de combinações para detectar remotamente brechas e violações, além de ferramentas de apresentação gráfica e técnicas para encontrar conexão entre dados relacionados em documentos diferentes. Por exemplo, agora ele consegue detectar um ataque cruzando dados sobre um novo malware que conheceu em um boletim online ou em um blog de análise de segurança.

Mas… nem o Watson e nem a IBM vão trabalhar sozinhos! Porque, afinal, até o Iron Man conta com o J.A.R.V.I.S. para ajudá-lo nas missões, né? Para esse projeto – babem! – oito das melhores universidades do mundo vão ajudar a aprimorar amplamente a coleção de dados de segurança para treinar o sistema de computação cognitiva.

palmasPrimeiro de tudo, o MIT (Massachusetts Institute of Technology), além dele, a Universidade Politécnica do Estado da Califórnia, Pomona; a do Estado da Pennsylvania; a Universidade de New York; a de Maryland, Baltimore County (UMBC); a de New Brunswick; a de Ottawa e a de Waterloo.

O “treino” do Watson ficará sob o comando dos estudantes dessas universidades. Inicialmente esse processo será de “alimentação” e anotação do sistema com relatórios de segurança e dados. O mais legal, que na verdade eu invejo um pouco, é que como esses estudantes vão trabalhar ali juntinho com esse grupo de feras de segurança, além de ganhar um currículo sensacional, eles estarão entre os primeiros do mundo a ganhar experiência neste campo emergente de segurança cognitiva!!! Para ter uma ideia, a IBM planeja processar mais de 15 mil documentos por mês na próxima fase do treino com as universidades parceiras, clientes e especialistas IBM.

Esses documentos vão incluir relatórios de inteligência de ameaças, estratégias de cibercrime, entre outros. A IBM X-Force Exchange, biblioteca da IBM contra o cibercrime, será a parte central dos materiais que alimentarão o Watson para cibersegurança. Esse corpo de conhecimento inclui 20 anos de pesquisas de segurança, detalhes de 8 milhões de spams e ataques de pishing e mais de 100 mil vulnerabilidades documentadas.

Tem mais por aí…
O mais legal é que além dessa notícia bacana, a Universidade de Maryland, Baltimore County também aproveitou o momento para anunciar uma parceria com a área de IBM Research para criar um Laboratório de aceleração de cibersegurança cognitiva [Accelerated Cognitive Cybersecurity Laboratory (ACCL)] na Faculdade de Engenharia e Tecnologia da Informação. Instituição e estudantes vão trabalhar juntos para aplicar a computação cognitiva nos desafios complexos de cibersegurança, colaborando com os cientistas da IBM e alavancando os avançados sistemas de computação da empresa para acrescentar velocidade e volume para as novas soluções de cibersegurança. Massa, né?
Vamos torcer para que essas iniciativas cheguem no Brasil. Seria muito legal, já que temos tantas grandes e ótimas Universidades. Não é mesmo?

Artigos Relacionados

25 ago
Podcast: Entenda o Watson em 5 minutos
Geral // 1

O volume de dados gerados em todo o mundo dobrou nos últimos dois anos. E grande parte desta informação não é estruturada, ou seja, não está armazenada em bancos de dados. O líder de Watson da IBM Brasil, Fábio Scopeta, explica como a Computação Cognitiva está revolucionando esta era computacional que vivemos por meio da

18 set
Conheça o iLAMpS Fund: inovação e desenvolvimento na IBM
Geral // 0

Crowdsourcing na IBM? O crowdfundig começou no Brasil cerca de três anos atrás, com o surgimento do site Catarse, inspirado no modelo americano Kickstarter. Trata-se de um portal de financiamento coletivo. Dado o sucesso deste tipo de iniciativa, hoje muitas empresas já veem implementando projetos de crowdfunding no ambiente corporativo. É o caso da IBM,

30 maio
Dá vontade de explodir tudo pra começar de novo
Geral // 0

Estamos diante de um mundo onde o digital e a mobilidade total serão os carros-chefes e o físico será complementar – Por Mauro Segura Aí o CMO de uma grande empresa norte-americana virou para mim e falou: “Eu reconheço que o marketing nunca teve tantas ferramentas para conhecer melhor os clientes e entregar experiências diferenciadas, mas

Comentários

Simone Sartori
13 de maio de 2016

Fantástico! Muito motivador saber que poderemos ajudar os nossos clientes de forma mais ágil e inteligente.

Americo Amim Junior
24 de agosto de 2016

Excelente noticia. Deve ser muito curioso este processo de alimentação do Watson com dados de segurança. Ainda mais curioso a “programação” desses algoritimos de cruzamento de zilhões de informação chegando a indicação inteligivel de cuidados e prevenção.
Show !

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por