Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

– Por Bruno Favery –

Durante o torneio de tênis Roland Garros, o mais charmoso Grand Slam, acontece um ritual em casa. Todo domingo meu pai e eu preparamos uma bela macarronada, assistimos às partidas do dia e o mais importante: apostamos nos resultados.  O hábito já leva 11 anos e nasceu na mesma época em que comecei a praticar e me encantar pelo esporte (confesso que já nem sei quantas vezes perdi). Meu pai é uma espécie de guru do tênis, acerta todas. Mas nesse final de semana eu tinha uma carta na manga.

A partida do dia seria entre o canadense Milos Raonic, oitavo colocado no ranking da ATP, e o desconhecido espanhol Albert Ramos. Jogamos a moeda e ganhei, no cara e coroa, a vantagem de escolher. Surpreendi e escolhi o azarão. Meu pai tirou sarro, pois os prognósticos, ao menos dele, davam larga vantagem a Milos Raonic. De fato, o canadense é mais jogador, mas como eu disse, eu tinha uma carta na manga: o IBM SlamTracker.

tumblr_mspqhu8wkg1s141c3o1_400O Slamtracker é um software disponível no site oficial do Roland Garros e também é uma funcionalidade nova do aplicativo do campeonato, que se utiliza de Big Data e das capacidades analíticas e cognitivas do IBM Watson para gerar estatísticas e análises precisas dos jogos. Aces, velocidade do saque, winners, erros não forçados e outros pontos cruciais das partidas são contabilizados em tempo real, oferecendo uma visão estratégica e numérica das partidas.

Além de todo esse monitoramento inteligente da partida, há também um espaço para consulta das estatísticas (foi aí que encontrei o meu trunfo). Observando os números do tenista espanhol, percebi que ele vinha com um número alto de acerto de primeiro saque e também de aces (pontos de saque), o que naturalmente já o torna um oponente difícil de ser abatido.

O fundamental foi saber que ele é o atleta que mais pontuou recebendo saques e que o seu oponente, apesar de ter o segundo saque mais forte da competição, costumava errar muito o primeiro serviço. Enxerguei aí a grande possibilidade da vitória, que se consumou pouco mais de 2 horas depois e 2 pratos de macarrão.

Moral da história: se antes eu confiava nos meus instintos e dava muito valor ao quesito sorte, agora vejo que isso é, sim, muito válido, mas também sei que a tecnologia – principalmente a informação – tem o poder de mudar o jogo a favor daquele que a sabe utilizar. Naquele domingo, graças à tecnologia, venci a aposta e não tive que lavar a louça.

Artigos Relacionados

04 fev
Quer solucionar um problema? Crie um APP! Hackathon Olhar Digital, o que rolou
Geral // 1

*por Mariana Lemos O ano mal começou e já sinto que se passaram seis meses. Se deslocar em São Paulo #nãotáfácil, então peguei trânsito e cheguei atrasada para assistir a final do ‘Guru Eletrônico’ – Hackathon que o Olhar Digital promoveu no Mackenzie – SP nos dias 2 e 3 de Fev. Ainda bem que

24 abr
Quem decide sobre a segurança na sua empresa?
Geral // 0

Na semana retrasada li um estudo da IBM sobre o aumento do cibercrime de 2015 para 2016. O número é assustador. Em apenas um ano, o crescimento foi de 566%. O número de registros violados passou de 600 milhões para 4 bilhões. Apesar de eu me considerar uma pessoa otimista, fica difícil de acreditar que esse

22 ago
A mobilidade além dos tablets e smartphones
Geral // 2

Semana passada recebemos no Brasil a principal executiva mundial da IBM para mobilidade, Marie Wick, uma entusiasta desta tecnologia que está impactando cada vez mais o dia a dia das pessoas e de corporações de diferentes segmentos e indústrias. Ela falou muito sobre o Brasil e como estamos avançados na adoção e utilização de tecnologias móveis. Também falou sobre

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por