Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)


*Texto por Mariana Riscala | Vídeo e fotos por Bruno Favery e Ellen Simão

Quarta-feira, uma noite fria de agosto, mas dentro do auditório da IBM, na zona sul da cidade de São Paulo, o bate-papo era acalorado. Mais de 200 pessoas, entre estudantes de medicina, residentes, médicos e profissionais da saúde estavam lá para discutir com especialistas da Big Blue e convidados como a computação cognitiva está transformando a medicina. E foi neste clima que aconteceu a segunda edição do IBM School, evento que tem a proposta de discutir o impacto da tecnologia nas profissões e seus mercados. Em 2015, chamamos o pessoal de marketing e comunicação para essa reflexão.

O esquenta da discussão deste ano começou com uma palestra sobre a computação cognitiva na saúde de Eduardo Cipriani, que é líder da unidade de IBM Watson Health no Brasil. Depois o público conferiu de perto com a Mariana Perroni, que é médica intensivista e coordenadora da divisão IBM Watson Health na América Latina, como o Watson for Oncology  funciona na prática, com demonstração ao vivo da tecnologia. Por fim, a coisa pegou fogo mesmo no painel sobre a nova era da medicina, com médicos convidados que responderam perguntas do público. Estavam lá Claudio Ferrari, brand leader do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, Drauzio Varella, oncologista e escritor, Felipe Roitberg, oncologista do Instituto do Câncer da USP e do Centro de Oncologia do Hospital Sírio-Libanês, e Vitor Asseituno, médico e CEO do Live Healthcare Media.

painelistas

Mas espera, vamos rebobinar esse filme e voltar um passo atrás para entender o que é a computação cognitiva. Os sistemas computacionais que usamos até hoje, em PCs, laptops, celulares etc, são programáveis e foram desenvolvidos na década de 60. O princípio é que sigam um conjunto de regras definidas: se acontecer isso, faça aquilo, caso contrário, faça outra determinada coisa. Porém, esse modelo não é capaz de lidar com a atual explosão de dados gerados pela nova dinâmica social e de negócios.

Hoje, precisamos de sistemas capazes de simular a forma com que os seres humanos pensam, aprendem e interagem. Ou seja, os sistemas cognitivos, que são ensináveis. Pensando nisso, em 2011 a IBM lançou o Watson, uma plataforma de computação cognitiva que, quanto mais interage com um assunto, mais experiente e inteligente fica. Quanto mais aprende, mais hipóteses e evidências gera, e mais sentido dá aos dados que antes eram invisíveis para as empresas.

Ok, muito interessante, mas o que isso tem a ver com a medicina? Tudo! A computação cognitiva está revolucionando a maneira de se fazer medicina. Para se ter uma ideia, a previsão é que o número de informações médicas dobre a cada dois meses e meio até 2020. Para manter-se atualizado, um médico deveria estudar cerca de 167 horas por semana, ou seja, 24 horas por dia. Impossível, né?! É aí que a tecnologia cognitiva aparece, atuando como assistentes dos profissionais, trazendo recomendações para tratamentos clínicos e oncológicos personalizados para um determinado paciente.

Quer dizer, então, que seremos atendidos por um robô em uma consulta médica do futuro? Nããão. A ideia é que os doutores tenham acesso aos dados dos pacientes desde que nasceram até o momento da consulta e, assim, possam tomar as decisões baseadas em informações sobre cada indivíduo, tornando os tratamentos cada vez mais personalizados. “Uma das questões mais crônicas da medicina é que o médico entra na vida do paciente quando o problema já aconteceu. E isso vai tornar o cuidado mais contínuo e não só reativo, quando o paciente já estiver dentro do nosso consultório”, reforçou Mariana Perroni.

Para Felipe Roitberg, um dos grandes benefícios da computação cognitiva é inclusive ajudar a otimizar o tempo da consulta. Economizando tempo na coleta dos dados, você pode discutir com o seu paciente o melhor pra ele. E, como bem lembrou Drauzio Varella, “medicina é uma profissão que você tem que fazer com a mão”. Pois é, quem não gosta daquele médico que nos olha nos olhos, pega na nossa mão e diz “estou aqui”? Todos nós! Comprova-se que a tecnologia vem para voltar a valorizar a relação médico-paciente.

10082016-IMG_4443

“Existe uma certa desconfiança e desconforto em parte dos médicos, que têm medo de perder o emprego ou serem substituídos por uma máquina. No entanto, a tecnologia nos ajuda a usar melhor os dados. É disruptiva, vai auxiliar muito”, reforçou Claudio Ferrari. Já Vitor Asseituno lembrou que o médico muitas vezes atende um plantão com sono, cansado ou com a pizza ali esfriando. “Essa questão humana não acontece com o Watson. A medicina tem o desafio de crescer com a computação cognitiva”, concluiu.

Finalizo este post com uma reflexão de John Forbes – mencionada pela Mariana Perroni no evento. Em 1921, ele já dizia: “O uso disso é muito duvidoso porque requer muito tempo e traz problemas para o paciente e para o médico, e vai contra o que estamos acostumados a fazer”. Ele estava se referindo ao maior símbolo da profissão dos médicos: o estetoscópio. Enfim, estamos em uma nova era em que os médicos devem se preparar para usar os dados a favor do paciente, os empoderando e os tornando donos da sua própria saúde, do seu próprio dado. Aquele que se formar com o apoio do Watson, se familiarizando com a tecnologia, poderá fazer melhor uso dela na medicina.

Confira as fotos do IBM School – A Nova Era da Medicina!

Quer saber mais sobre a computação cognitiva na saúde? Acesse: 

Artigos Relacionados

23 set
A Big Blue deixou o BYOD seguro com solução que monitora apps
Geral // 0

*Por Maria Fernanda Espinosa Não é de hoje que o assunto BYOD preocupa companhias em todo o mundo. Explico. BYOD é a sigla que representa o termo ‘bring your own device’, ou, em português: traga/use seu próprio dispositivo. Estamos falando da prática de se utilizar dispositivos móveis pessoais – como celulares, tablets e computadores – para fins de trabalho. Isso

28 abr
O grande amigo que nunca tive na escola
Geral // 3

*por Bruno Favery – Quando eu era criança adorava ir à escola. Desenhar era uma das atividades que mais gostava. Lembro que muitas vezes me irritava com as professoras quando elas davam alguma atividade que não caía no meu gosto, principalmente quando tinha algo a ver com matemática. Por mim, eu ficaria desenhando, desenhando e desenhando…

26 ago
Como construir uma casa pode ajudar a entender o Watson Analytics?
Geral // 0

* Por Kelly Bassi e Maria Fernanda Espinosa – O que precisamos para construir uma casa? O tijolo! Sim, por mais óbvio que seja, sem ele não há paredes ou tetos. Mas onde queremos chegar com esse papo de construção? Queremos explicar definitivamente a diferença entre Watson e Watson Analytics – sim, são soluções diferentes,

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por