Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

A discussão de que a tecnologia e a educação são aliadas já acontece há um bom tempo, mas nos últimos anos tenho visto iniciativas que comprovam os benefícios desta união. Agora, além de falar sobre internet, laptops e tablets em sala de aula, incluo o uso da inteligência artificial para ajudar o trabalho dos professores. Sim, estou falando da utilização do Watson na educação e, recentemente, houve uma importante experiência no Brasil com a Fundação Dom Cabral (FDC).

WatsonOs participantes do Programa de Gestão Avançada (PGA) – que é o curso de educação executiva mais sênior do País, realizado pela FDC em parceria com a escola francesa Insead – tiveram a oportunidade de interagir com o Watson em dois momentos do programa. O objetivo foi mostrar as possibilidades que a tecnologia traz nesse momento de disrupção de todas as indústrias. Primeiro, os executivos fizeram perguntas por chat, como se ele fosse um assistente para a resolução de cases reais.

Este chatbot foi treinado especialmente para a FDC e responde perguntas sobre a computação cognitiva e como essa tecnologia pode ajudar diversos setores, como varejo, finanças, óleo&gas, governo, saúde, comunicação etc.  A aplicação com Watson foi apresentada em sala de aula, mas ficou disponível integralmente na nuvem para consulta dos participantes. É importante ressaltar que ela está em constante aprendizado, tanto que pede ao usuário um feedback positivo ou negativo para cada resposta dada.

O objetivo da iniciativa foi proporcionar uma experiência cognitiva pioneira em relação à utilização do sistema como ferramenta de gestão. Convido vocês à assistirem o vídeo abaixo que mostra o chat usado pelos participantes do PGA.

O segundo momento dos executivos com o Watson aconteceu durante o módulo realizado na França, na escola Insead. Esta fase do programa é focada em coaching em liderança. Por isso, todos os participantes escreveram um texto sobre sua avaliação da primeira fase do curso no Brasil e esses conteúdos foram analisados pela ferramenta Watson Personality Insights, que foi ensinado sobre psicologia e consegue avaliar a personalidade de uma pessoa por meio do conteúdo que ela escreve. Assim, o professor conseguiu ter mais uma fonte de informação sobre o perfil de cada executivo, auxiliando a direcionar as aulas. Show de bola, né?

Diante desta história, fiquei muito curiosa para saber como a FDC avaliou a sua primeira experiência com o Watson. Então, conversei com a professora Marta Pimentel, que é responsável pelo programa PGA, sobre as impressões da iniciativa e planos futuros. Confira a nosso bate-papo na integra!

 TI+Simples: Como a Fundação Dom  Cabral avalia essa primeira experiência cognitiva com o Watson?

Prof. Marta Pimentel: Foi fantástico poder tangibilizar a experiência do Watson e da computação cognitiva num ambiente de educação executiva como o PGA da FDC, voltado à alta administração das empresas e organizações. Sem dúvidas foi um pequeno passo para a tecnologia, mas um grande passo para a educação.

TI+Simples: Por que a escolha da IBM para introduzir a computação cognitiva na FDC?

Prof. Marta Pimentel: São múltiplas as razões, mas acredito que a escolha foi mútua. A FDC escolheu a IBM e a empresa nos escolheu, em função da sintonia no desejo de construção de um novo futuro, mais sustentável e significativo, pelas forças de equipes colaborativas, entusiasmadas e competentes de ambas as instituições e pela capacidade de mobilização de redes globais de conhecimento e práticas empresariais das duas marcas.

TI+Simples: Qual a perspectiva da FDC em relação ao Watson?

Prof. Marta Pimentel: O Watson será no futuro um incrível parceiro de construção, difusão e mobilização de redes de informação, contribuindo para a democratização e socialização do conhecimento. A possibilidade de ampliarmos o acesso de todos à educação contribuirá certamente para o desenvolvimento de um mundo mais inclusivo e por isso melhor.

TI+Simples: No futuro, como a FDC imagina que o Watson atuará na tomada de decisão junto com os executivos que a instituição formou?

Prof. Marta Pimentel: Imagino o Watson como um advisor, assim como temos coachings e mentorings, teremos watsonrings, apoiando na compreensão de problemas complexos, por meio de um acesso mais sistêmico e amplo ao conhecimento. O Watson permitirá uma aproximação entre o tempo social, das tempestades exponenciais do presente, e do tempo biológico, do processo cognitivo e emocional do humano, contribuindo para a construção de decisões mais consistentes, mais sistêmicas e possivelmente mais coerentes. Sou uma otimista em relação aos avanços tecnológicos no mundo e devo confessar-me uma fã do Watson, especialmente da sua irmã Isabela que é instruída em Português. Uma liderança feminina em conhecimento é fundamental para continuarmos a empoderar a diversidade do mundo, reconhecendo a importância do papel feminino na construção de um futuro mais colaborativo, afetivo e feliz.IMG_0010

Outras iniciativas do Watson na educação – Se você se interessa por esse assunto, vale conferir este vídeo sobre o aplicativo para mobile IBM Watson Element for Educators, que foi lançado neste mês de outubro, e ajuda os professores a ter uma visão individualizada de cada aluno. Desta forma, podem trabalhar com atividades mais direcionadas aos alunos de acordo com as suas capacidades e habilidades de aprendizado.

Vale também ver este post sobre a parceria da IBM com a Sésamo Workshop para desenvolver produtos educativos com as capacidades cognitivas do Watson. O objetivo é mudar a forma como as crianças aprendem. Ah! Também tem este post sobre o curso de receitas com alunos do curso de Gastronomia da Universidade Anhanguera de São Paulo que o  Chef Watson ajudou os participantes a criarem as receitas!

As possibilidades são infinitas no uso da computação cognitiva na educação. Você imagina outras maneiras que esta tecnologia pode ajudar neste segmento? Divida conosco aqui.

*Por Kelly Bassi

Artigos Relacionados

30 dez
Relatório Anual de Cidadania Corporativa da IBM Brasil / 2013
Geral // 0

  A IBM busca ser uma empresa essencial para seus clientes e para a comunidade, oferecendo um ambiente favorável para gerar reflexão, participação e inovação que gere impacto positivo na sociedade. Este foi o motor que direcionou as ações de Cidadania Corporativa da IBM Brasil em 2013. Como líder em tecnologia da informação e gestão de processos, o desafio da

17 abr
“Uma revolução chamada CAMS”
Geral // 0

Por Rodrigo Kede, presidente da IBM Brasil Essa revolução significa que as empresas estão encarando tecnologia de uma forma diferente. Muito mais do que suporte para os negócios, como vinha acontecendo nos últimos 15 anos, o foco será investir em soluções de front office, que viabilizem novas receitas, produtos e inovação, e maior proximidade com o cliente. Os líderes

04 fev
Quer solucionar um problema? Crie um APP! Hackathon Olhar Digital, o que rolou
Geral // 1

*por Mariana Lemos O ano mal começou e já sinto que se passaram seis meses. Se deslocar em São Paulo #nãotáfácil, então peguei trânsito e cheguei atrasada para assistir a final do ‘Guru Eletrônico’ – Hackathon que o Olhar Digital promoveu no Mackenzie – SP nos dias 2 e 3 de Fev. Ainda bem que

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por