Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Nos últimos tempos, a GM e a BMW anunciaram que estão trabalhando com a IBM em projetos de inteligência artificial. A GM vai incluir o Watson em seu assistente pessoal OneStar para construir uma nova plataforma de mobilidade cognitiva, o OneStar Go, que terá o intuito de melhorar a experiência de condução de veículos. Já a BMW está investigando como o Watson pode tornar os carros mais seguros e personalizados. Quatro unidades do superesportivo híbrido i8 da montadora serão conectadas à plataforma IBM Bluemix. A partir disso, as empresas pretendem avançar no desenvolvimento da interface do carro, com interação mais personalizada entre o motorista e o veículo.

Enfim, esses dois projetos mostram que a inteligência artificial em automóveis não só pegou uma carona, mas ela veio para ficar. Dirigir é um desafio. Lembro do começo da minha “carreira” como motorista. Tinha medo de pegar estrada, de parar o carro em uma ladeira e de passar em ruas estreitas. Aos poucos conduzir um automóvel foi tornando-se uma atividade automática e hoje vejo o carro como uma extensão de mim. Muitos até se sentem mais aventureiros quando estão atrás do volante, mas essa relação deve mudar no futuro. Estudo do IBV mostra que o uso dos carros como transporte privado vai aumentar 37% entre pessoas entre 18 e 24 anos, mas vai cair cerca de 71% para indivíduos de outras idades.

egbe5opqwalz6suczhws

O mesmo estudo aponta que, de maneira geral, os veículos estão se tornando um meio de Internet das Coisas como uma nova opção de mobilidade para transformar a experiência dos consumidores. De meio de transporte, os carros caminham para serem um centro de dados em movimento com sensores de bordo e computadores que capturam informações sobre o veículo, motorista, passageiros e arredores. Soma-se o fato das interfaces conversacionais permitirem que os motoristas interajam com seus veículos naturalmente e, com a tecnologia de machine learning, os carros possam conhecer melhor seus donos.

Vale ressaltar que a pesquisa fala que cerca de 37% dos consumidores estão muito interessados em submeter suas próprias ideias para co-criar novos produtos automotivos e de mobilidade e 54% das pessoas ouvidas na pesquisa estão interessadas em estudar automatizar e personalizar sua experiência de dirigir. Assim, a tendência é que os carros assumam seis novas habilidades:

1) Auto-conserto: os veículos serão capazes de diagnosticar e corrigir seus próprios problemas e até mesmo corrigir os de outros veículos sem a ajuda humana.

2) Auto-socialização: os veículos vão se conectar com outros carros em um mundo em torno deles.

3) Auto-aprendizagem: os veículos com capacidade cognitiva poderão aprender continuamente e aconselhar o motorista baseado no comportamento do condutor, passageiros e de outros veículos.

4) Auto-condução: Os veículos passarão da automação limitada para totalmente autônoma.

5) Auto-configuração: Os veículos se adaptarão às preferências pessoais do motorista – altura e posição preferida – assim como saberão seus destinos favoritos.

6) Auto-integração: Como outros dispositivos inteligentes, os veículos serão partes integrantes de sistemas de IoT e levarão em consideração fatores externos, como tráfego, previsão do tempo e eventos de mobilidade, para se moverem.

17CHVO35000_v2.tif

Não vejo a hora desta realidade chegar em minha vida. E você? Quer tentar uma nova experiência a bordo de um carro?

*Por Kelly Bassi

Artigos Relacionados

01 jul
Dados podem mudar o jogo
Geral // 0

Análise de Sentimento Social é uma solução que analisa tudo o que é falado nas redes sociais, aponta tendências para gerar insights sobre o que as pessoas estão falando de um determinado tema. Há milhares de aplicações para isso. Imagine um Diretor de Marketing usando os comentários do Twitter e Facebook postados por clientes para

27 ago
Na era do profissional multifunção: seu diploma limita ou alavanca?
Geral // 0

*por Mariana Lemos Pensando no tema ‘transição de carreira’, fomos em busca de algumas pessoas da IBM que pudessem compartilhar suas experiências com o TI+Simples. Encontramos, de cara, Fábio Gandour –  um médico que se rendeu aos encantos da tecnologia e virou cientista chefe do laboratório de pesquisa da empresa no Brasil – e Renato

24 fev
#HACKATRUCKNOSEBRAE – estacionamos na Feira do Empreendedor
Geral // 3

*por Mari Lemos, Kelly Bassi e Mafê Espinosa Quando o SEBRAE convidou o Hackatruck para participar da Feira do Empreendedor 2016, rolou um mix de medo com brilho no olhar. Medo porque sabíamos como seria desafiador levar conteúdo relevante de verdade para empreendedores ávidos por informação. Brilho no olhar porque não há coisa mais gratificante

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por