Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Reconhecido como o mês do orgulho LGBT ou Orgulho Gay, junho nos levou a pensar, mais uma vez, em como estamos caminhando com essa questão. Com muita celebração e mensagens positivas sobre respeito, há ainda a lembrança de dias difíceis que muitas vezes mostram resquícios de resistência. Assim como a luta ao direito de voto aos negros e mulheres, conquistas em direção à igualdade sempre exigiram pessoas corajosas que deram a cara a tapa e desafiaram o status quo. Com a comunidade LGBT não foi e não é diferente. Há 48 anos, em uma época de grande repressão e perseguição à gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis nos Estados Unidos, policiais invadiram um bar frequentado por essa comunidade, o Stonewall Inn, causando uma rebelião que marcou a luta LGBT. As ações repressoras e violentas tiveram o efeito contrário ao desejado. Em 1970, no ano seguinte ao da revolta, foi organizada a primeira parada do orgulho gay, em Nova Iorque.

O movimento só cresceParada Gayu e anos mais tarde, em 1995, as terras tupiniquins ganhavam sua primeira parada. Muito tempo se passou depois disso e ainda hoje temos muito o que falar sobre respeito e inclusão. Casais homoafetivos já se beijam em novelas, leis foram criadas para união estável, debates, avanços, enfim, muito foi feito, mesmo assim ainda há muito a se fazer. No último fórum Gestão da Diversidade e Inclusão, que aconteceu em São Paulo, pude ver o quanto é importante a participação das empresas para incentivar a inclusão da diversidade tanto no ambiente de trabalho, quanto na sociedade. Como diz a ex-líder de diversidade e inclusão da IBM para América Latina, Eliane Ranieri, as empresas precisam reconhecer a importância de incluir as minorias em seus negócios e não apenas pela contratação, mas pelo desenvolvimento profissional dessas pessoas, que são tão capazes como qualquer outra.

Pensando em números, o consultor de gestão em empresas, Carlos Temperini, trouxe informações bem relevantes. No Brasil, cerca de 76% dos colaboradores de uma empresa que percebem um ambiente diverso, preocupam-se em trazer novas ideias. Em contrapartida, apenas 5% das companhias brasileiras estão interessadas em saber se seus funcionários reconhecem um ambiente inclusivo e diverso.

Com esses dados foi possível verificar que ainda não há foco e percepção das corporações em agregar valor por meio da diferença entre seus colaboradores. Um ambiente acolhedor e aberto à diferença, além de promover o respeito, acelera o desenvolvimento da própria empresa. Isso porque pessoas se sentem mais engajadas quando sabem que serão ouvidas e respeitadas, quando podem compartilhar ideias com seus colegas e gestores, sem julgamentos que envolvam sua orientação sexual ou iBox Post LGBTdentidade de gênero.

Como lembra Eliane, que trabalhou durante anos na IBM à favor da diversidade na companhia, não tem como qualquer empresa, do tamanho que seja, avançar só pensando no mercado e em seus produtos e esquecer de olhar para dentro de sua gestão. “A IBM não seria a empresa que ela é hoje apenas pensando em como investir em altas tecnologias como inteligência artificial, mas também se preocupando sobre o que o seu funcionário precisa”.

É maravilhoso quando vemos aqui em nosso país uma das maiores paradas gay do mundo, mas como é o dia a dia de pessoas gays, lésbicas, bissexuais, intersexuais, transexuais e travestis? Essas pessoas estão representadas no mercado? Elas estão economicamente ativas e independentes? Elas se sentem livres para se assumirem dentro de suas empresas? Essa reflexão não é para o amigo da amiga que tem um conhecido trans. É para todos nós, colegas de trabalho e líderes. O engajamento tem que vir de todos, até o momento que não precisaremos mais falar sobre isso.

*Por Gabriela Almeida

Artigos Relacionados

28 jul
O que o Mainframe e a Corrida Espacial têm em comum?
Geral // 0

Você já parou para pensar como a tecnologia está presente até nas menores atividades de sua rotina? Claro que não estou falando do Waze, Whatsapp ou qualquer outro app que usamos todos os dias. Também não me refiro ao carro autômono ou àqueles refrigeradores que avisam quando precisam ser abastecidos. Estou falando da tecnologia “invisível”.

03 set
Em 15 segundos, Watson pode entender 10 milhões de fichas médicas para ajudar no tratamento de doenças
Geral // 0

Dados comprovam que apenas 20% dos conhecimentos utilizados pelos médicos para tomar decisões sobre diagnósticos e tratamentos é baseado em evidências. Com isso, um em cada cinco diagnósticos acaba sendo incorreto ou incompleto e quase 1,5 milhões de erros em relação a medicação são feitos nos EUA a cada ano. Dada a crescente complexidade do

17 maio
Brasil, País Digital
Geral // 3

– por Fabio Rua – Encontrar os melhores hotéis de acordo com a sua preferência e tamanho do bolso.  Ter acesso às passagens aéreas mais baratas do mercado. Pegar um taxi e não se preocupar com o pagamento, que é automaticamente debitado no seu cartão de crédito.  Se planejar com uma previsão do tempo cada

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por