Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Antes de escrever este texto eu fiquei pensando nas capacidades e características que nós, humanos, temos. Podemos pensar, cantar, dançar, temos o poder de persuadir, abraçar e amar. Conseguimos ser irônicos, afáveis, maldosos, leais e por aí vai.

giphy2Por que estou falando sobre isso? O título já mostra que há uma intenção real em mostrar o que está acontecendo por trás do estudo que o ser humano tem feito para aprimorar as máquinas. Segundo o relatório “O Futuro do Trabalho”, do Fórum Econômico Mundial, de 2018 a 2020 a robótica avançada e a inteligência artificial, bem como o aprendizado de máquina vão impactar as indústrias e os negócios. Ou seja, será a próxima revolução que vamos vivenciar.

Porém, antes de mais nada, quero deixar bem claro nesse post que não vou expor uma opinião – a qual eu sou contrária -, que é a nossa substituição por robôs. Eu não acredito nisso, exatamente porque penso que o criador é responsável pela criatura. É uma escolha do humano tornar uma nova descoberta em algo bom ou ruim. A bomba atômica é um exemplo muito claro disso.

Dito isso, vou ser o mais imparcial possível neste post, explicando somente como estamos evoluindo no desenvolvimento de tecnologias que se aproximem do comportamento humano. E como será possível utilizar todo esse conhecimento para beneficiar a nós mesmos. Claro que provocarei alguns questionamentos, mas depois você poderá comentar no final do texto.

Vou ilustrar essa conversa. Há alguns meses eu assisti ao filme “Ex-Machina” (para quem quiser, está disponível no Netflix). Suspense ou filme de terror, ainda não decidi qual a categoria da película, pois é realmente assustadora. Mostra um teste com robôs. No final você não sabe quem está testando quem, se é o humano ou a máquina.giphy-downsized

Contudo, o que me chama mais a atenção nesse filme é a interação. Um homem cria um robô com toda a sensibilidade de gestos, forma de falar e se expressar, de reconhecer sentimentos no rosto etc. Como é possível?

Conversei esses dias com o especialista em chatbot e gerente de análise social do Laboratório da IBM Brasil, Claudio Pinhanez, e ele me explicou que hoje eles buscam desde antropólogos, para entender o ser humano, até designers e dramaturgos para criar essas interações mais humanizadas.

Por exemplo, preste atenção em como fala, gesticula, reage. Cada pessoa tem um jeito. Uns franzem a testa, outros mordem os lábios, tem gente que fala com o canto da boca. E tudo isso pode ser um indicador que demonstra emoção, sentimentos. Do ponto de vista de personalidade, existem os mais explosivos, carinhosos, afáveis e amigáveis. Por todos esses motivos é necessário que estejam envolvidos profissionais de todas as áreas para que um robô consiga se aproximar mais do comportamento humano.

Você pode me questionar: mas como, falando dessa forma, o ser humano não será substituído?

Volto à questão da intenção humana. Pense por um lado: um asilo com velhinhos desamparados que necessitam de atenção recebe um robô mais humanizado para lidar com suas dores, ensinado com a linguagem natural de forma que possa ouvi-los, interagir, jogar ou dançar com ele, ou mesmo dar um abraço quando necessitam. Veja, hoje empresas japonesas já estão criando robôs que podem, por meio de análise de imagem, entender o humor e a emoção que a pessoa está em uma determinada foto. Outras estão mais avançadas ainda, reconhecendo expressões faciais e criando máquinas para dar conforto a pacientes.

É claro que são projeções avançadas e muitas vezes é um papel do SER HUMANO. Por mais que a máquina evolua, existem algumas características que ela não será capaz de aprender, como referencia o próprio estudo do Fórum Econômico Mundial,  pertencem somente aos seres humanos a compaixão, empatia, criatividade, inteligência emocional e pensamento crítico. De acordo com Pinhanez, por mais que as máquinas possam efetuar atividades de suporte a nós, elas não nos substituirão.

*Por Maria Fernanda Espinosa

Artigos Relacionados

29 jan
O que o carnaval da rua tem a ver com sua startup?
Geral // 0

*Por Maria Fernanda Espinosa   Carnaval em São Paulo. Os blocos de rua devem reunir mais de dois milhões de pessoas nas ruas da cidade. Para quem não sabe, essa folia toda começou de uns quatro anos para cá. Em 2012, por exemplo, cerca de seis blocos embalavam os festeiros no ritmo do carnaval na

22 jan
Um mercado para todos
Geral // 0

Por Eric Bragion* O mercado financeiro recentemente voltou seus olhos ao maior país da Ásia Oriental e o mais populoso do mundo, a China. Em setembro de 2014, o grupo Alibaba registrou o maior IPO da história, com US$ 25 bilhões. Esse índice é retrato de como o comércio eletrônico, e por consequência a globalização,

26 jun
A TV vista de uma forma diferente
Geral // 2

*por Marcel Benayon Não faz muito tempo estive nos Estados Unidos para visitar alguns amigos. Um deles me chamou para jantar em sua casa e logo após a refeição as crianças correram para a frente da televisão. Perguntei de qual companhia de TV por assinatura eles eram clientes e meu amigo explicou, com orgulho, que

Comentários

THANATUZ
31 de agosto de 2017

Inteligência Artificiais vão refletir seu treinamento. Porém, IA´s não serão vingativas ou inseguras, elas não vão morrer e continuarão evoluindo, não terão traumas e problemas psicológicos assim como os humanos. Também não temo as inteligência artificiais. Temo os humanos. Super estimamos a auto consciência. A maioria dos humanos nem é tão auto consciente. Os cientistas podem afirmar hoje que a auto consciência das máquina está longe. Porém, uma Inteligência Artificial pode ser consciente do seu lugar no mundo, dos seus limites, do seu objetivo.

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por