Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Agendamento de férias, recebimento de salário, contrato admissional… são processos com os quais a maioria de nós já teve ou terá de lidar algum dia. Para que todos esses trâmites possam fluir sem entraves, existe nas companhias uma área que é de suma importância: a de Recursos Humanos. O que muitos não sabem é que o RH é muito mais do que resolver questões burocráticas e, graças às novas tecnologias, promete ser ainda mais estratégico para as companhias.

Estive recentemente no CONARH (Congresso Nacional de Recursos Humanos) para acompanhar as tendências deste mercado e pude saber sobre indicativos que mostram para onde caminha a gestão de pessoas nesses novos tempos digitais. Alguns pontos que me chamaram a atenção: lideranças que estimulem equipes colaborativas, redução de tempo em processos operacionais, qualidade de vida no trabalho e mudança de mindset, entre vários outros pontos.

Uma coisa que ficou evidente é que as soluções digitais são e serão cada vez mais peças-chave para o desenvolvimento das áreas de recursos humanos das companhias. De chatbots, que permitem que seus funcionários esclareçam dúvidas sobre, por exemplo, seus salários, até programas que analisam, mensuram e classificam perfis de profissionais de acordo com suas mensagens nas redes sociais… As possibilidades são diversas! E grande parte dessas ferramentas já utiliza recursos de inteligência artificial para trabalhar. Quer outro exemplo? Já é possível identificar qual foi o sentimento de um colaborador quando escreveu um e-mail solicitando algo ao seu gestor ou colega de trabalho e até sugerir mudanças no tom da escrita.

Um caso bacana do uso de IA, que foi mostrado no ConaRH é a Techware, empresa especializada em soluções para a área de RH. O time da companhia mostrou como a inteligência artificial trabalha na prática. Os visitantes do estande podiam tirar dúvidas de processos com o sistema inteligente Watson, que é alimentado e aprende com uma massa de dados. Você poderia, por exemplo, fazer perguntas sobre folha de pagamento e ter sua resposta de forma rápida e precisa. Melhor ainda, pode adquirir esta informação de onde estiver, por dispositivos móveis, pois toda a solução está na nuvem. Com essa experiência, é possível observar que uma área que ainda hoje é considerada por muitos como operacional, já está preocupada com o futuro.

Hugo Silva - Uehara Fotografia 111

Alexandre Dietrich | Foto: Hugo Silva

O líder de Watson para América Latina, Alexandre Dietrich, falou recentemente ao Estadão que concorda que a tecnologia beneficia tanto as corporações quanto seus funcionários. “É importante que a área de Recursos Humanos identifique as habilidades de seus colaboradores e saiba a importância da adequação e esteja aberta para as novas possibilidades que poderão surgir. Ferramentas que facilitam a vida do colaborador também possibilitam que o RH esteja livre para pensar em estratégias de negócios e em ações de retenção mais efetivas, além de iniciativas para atração de talentos.

Muitos gestores correm atrás de ferramentas que possam elevar o crescimento de companhias. Uma pesquisa realizada pela Workday revelou que mais da metade dos CEOs reconhecem a contribuição do Big Data para agregar valor econômico sustentável à empresa. Mas se engana quem pensa que a tecnologia é a garantia de sucesso. De acordo com líder de Collaboration & Talent Solutions da IBM Brasil, Sidney Sossai, as pessoas precisam se preparar para esta massa de dados. “A inteligência artificial mostra o caminho, mas são as pessoas que vão ter que aprender à extrair o melhor desse volume de informações”. Por isso que uma empresa sem planejamento e que não sabe por qual caminho seguir, não poderá depender da inteligência artificial para trazer a solução.

O mundo está cada vez mais personalizado, escolhemos o que queremos ouvir, assistir, comer, tudo em pouquíssimos cliques. E por que seria diferente em nosso universo corporativo e na área de RH?

*Por Gabriela Almeida

Artigos Relacionados

10 abr
A reinvenção da ida aos museus
Geral // 0

Nem sempre fui um apreciador das artes plásticas e visuais. Na juventude, achava as excursões aos museus uma chatice só. Muita coisa para ver, muita coisa para ler e pouca coisa para interagir. Nunca senti muito estímulo para ir em busca das histórias por trás das obras de arte. Achava tudo aquilo uma experiência muito

03 jul
Lições aprendidas sobre Social Business
Geral // 0

Ontem participei do evento IBM Mobile & Social Business, no Hotel Unique, em São Paulo, que trouxe dados muito interessantes sobre duas tendências que se tornaram um grande desafio para fornecedores e usuários de tecnologia. Como são temas com uma infinidade de conteúdo para discussão, vou dedicar esse post ao Social Business que, resumidamente, pode ser considerado um ambiente

30 abr
IBM encaixa mais uma peça no quebra-cabeça da computação quântica
Geral // 0

 *por Mariana Lemos Já ouviu falar em Computação Quântica? A IBM trabalha para montar as peças deste quebra-cabeça há 30 anos. Nesta semana a Big Blue anunciou, mundialmente, um grande passo, que nos deixa mais próximos do tão esperado computador quântico: um circuito capaz de detectar erros próprios do qubit – unidade de informações quânticas. Os qubits, num computador quântico,

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por