Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Tarcísio Paciulo Castilho (31) trabalha há mais de 5 anos na IBM. Em seu currículo apresenta graduação em rede de computadores, pós-graduação em segurança da informação, licenciatura em Letra / Libras e hoje atua como consultor. Parece ser mais um caso de um jovem de sucesso, que ainda tem uma vida inteira pela frente. E é verdade, mas é muito mais do que isso. Desde pequeno Tarcísio possui deficiência auditiva profunda e precisou lidar com obstáculos que não são comuns para a maior parte da população.

Na época da escola, ele já sentia na pele a desigualdade que uma pessoa com deficiência enfrenta para estudar e entrar no mercado de trabalho. Sem a presença de tradutores/intérpretes, Tarcisio muitas vezes não conseguia adquirir o conteúdo no mesmo ritmo que outros alunos e ficava sempre de recuperação. Tudo devido à falta de uma comunicação apropriada. Isso é mais comum do que deveria e prejudica muitas crianças brasileiras que precisam de assistência especializada. De acordo com a Carolina Ignarra, uma das fundadoras da consultoria Talento Incluir, 60% da população com deficiência não têm ensino fundamental completo, devido à falta de acesso e preparo.

O Brasil ainda esTARCISIO_BAIXA_FAVERY-9062tá engatinhando quando se fala em inclusão de pessoas com deficiência. Somente em 2016 entrou em vigor a Lei Brasileira de Inclusão (LBI), que entre diversos direitos visa assegurar acessibilidade, autonomia segura e um sistema educacional inclusivo com fornecimento de profissionais de apoio para os alunos com deficiência.

Muitas vezes para conseguir enfrentar essa barreira, o apoio familiar é importante. No caso de Tarcisio, sua mãe sempre se esforçou para que ele e seu irmão, também deficiente auditivo, pudessem desenvolver a audição e a fala. Assim, durante 14 anos, ela os levava à fonoaudióloga, o que trouxe resultados positivos, pois hoje Tarcisio tem mais facilidade de se comunicar oralmente e entende moderadamente a leitura labial.

Com 19 anos, ele resolveu entrar na faculdade de rede de computadores, foi quando ouviu falar da IBM e despertou o desejo de um dia poder trabalhar na companhia. Após mandar seu currículo, viu uma oportunidade de conseguir uma vaga e foi chamado para uma entrevista. Apesar do interesse em seu perfil, Tarcisio reconhece o receio de muitas empresas em contratar uma pessoa com deficiência e sabe que sua maior dificuldade no ambiente de trabalho é a comunicação. “Eu falo e todo mundo entende, mas receber as informações ainda é a maior dificuldade”, comenta.

Com uma conversa sincera e interesse por parte do gestor, Tarcisio pôde explicar como é possível incluir surdos nas empresas por meio de recursos simples. Hoje ele trabalha com uma ferramenta chamada Viavel Brasil, um sistema nacional com tradutor/intérprete real, mas por meio virtual que interpreta a fala em tempo real. Isso permite que ele participe de reuniões com colegas e clientes, além da própria comunicação via rede social corporativa ou e-mails.

TARCISIO_BAIXA_FAVERY-9085O ponto principal para a inclusão é o interesse e força de vontade superando as barreiras atitudinais. Com tecnologias simples, é possível entender e orientar esses profissionais. Tarcisio pertence aos 1% de PcDs (Pessoas com Deficiência) que estão no mercado de trabalho atualmente, de acordo com a Agência Brasil. Entre as dificuldades para aumentar essa estatística, a falta de infraestrutura para essas pessoas é o que mais pesa na hora de garantir inclusão. “Do momento em que saímos de casa, nos deparamos com um mundo que não é feito para nós. Eu e a comunidade de surdos, por exemplo, temos dificuldades de conviver com a comunicação público e privada” completa Tarcisio.

Avanços ocorreram, é verdade. A Lei de Cotas – nº 8.213 de 24 de julho 1991, define que empresas com 100 ou mais funcionários são obrigadas a preencher de 2% a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas com deficiências. Porém, de acordo com Carolina essa não deve ser a motivação principal para a contratação. “Cumprir lei será uma consequência a partir do momento em que você compreende que é preciso contratar. As empresas que já perceberam isso estão vendo resultados muito positivos”.

Atualmente, Tarcísio também é membro do grupo de afinidade de PcDs dentro da IBM, formado por voluntários que se unem para discutir temas de interesse e dificuldades como acessibilidade e ferramentas que ajudam na interação. Defensor da causa, ele sabe a importância para pessoas com deficiência terem a oportunidade de mostrar que são tão capazes quanto qualquer outra pessoa. É importante lembrar que não estamos falando de privilégios, mas sim de igualdade.

Essa é só mais uma história de alguém que conseguiu dar um passo além do que o esperado. Infelizmente essa não é a realidade de muitas pessoas com deficiência e não por falta de capacidade, mas sim de oportunidade. A empatia é o que nos torna humanos. Caso isso não seja o suficiente para lhe convencer, saiba que ela será essencial para quem quiser se diferenciar no futuro. De um jeito ou de outro, é preciso respeitar e incluir o que é diferente e tornar o ambiente de trabalho e a sociedade um ambiente melhor para todos.

*Por Gabriela Almeida

Artigos Relacionados

12 nov
IBM Corporate Service Corps: Colaboração para o desenvolvimento social e de futuros líderes
Geral // 0

  A IBM acredita fortemente que por meio de sua força de trabalho é possível colaborar com o processo de crescimento e desenvolvimento social em cada cidade dos países emergentes onde atua. Desde 2008, o programa global IBM Corporate Service Corps já contribuiu para a melhoria da gestão de questões críticas da sociedade, como desenvolvimento

20 fev
Tecnologia é para todos!
Geral // 0

Não é de hoje que, ao pensar em tecnologia, não aliamos seus benefícios apenas aos profissionais de TI de uma empresa. Diretores de finanças, segurança e, mais recentemente, recursos humanos e marketing têm participado cada vez mais do processo de aquisição de novas tecnologias – e se beneficiado muito delas. Isso porque na era do big data, com diferentes

23 jun
O que a máquina de batata chips tem a ver com blockchain?
Geral // 0

 *Por Bruno Favery, Maria Fernanda Espinosa e Kelly Bassi   Que o blockchain ainda é um mistério a ser desvendado pelo mercado, isso com certeza é. Antes achávamos que se tratava de, traduzindo ao pé da letra, uma cadeia em blocos focada em troca de valor financeiros. Hoje, durante palestra do CIAB, descobrimos que não

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por