Pick a color

Boxed/Wide

Boxed
Wide

Content width

1200
1040
960

Select headings font

Background (Boxed)

Durante toda a história, nós, mulheres, já provamos que quem tem limite é município, rs. Seja ao entrarmos com tudo no mercado de trabalho em plena primeira guerra mundial, enquanto os homens lutavam nos campos de batalha, ou nos dias atuais, em que temos a tecnologia ditando as regras, podemos dizer que se existe alguma área ou habilidade que ainda não dominamos ou estejamos presentes, pode ter certeza que existe uma mulher cavando um espacinho por ali.

Falando especificamente de TI, neste exato momento, há muitas de nós usando a tecnologia para se empoderar e empoderar outras pessoas (homens ou mulheres), o que é maravilhoso. Como a Nathalia Arcuri, jornalista de formação e digital influencer por conta do seu canal no Youtube, que possui mais de 1 milhão de inscritos (dos quais eu faço parte), interessados em aprender sobre finanças pessoais.

Outro exemplo atual é a Mariéme Jamme, senegalesa que, depois de ser abandonada e viver como refugiada, aprendeu sozinha a programar e hoje é reconhecida como a embaixadora de tecnologia pela ONU, por meio de seu projeto IamtheCODE, que ensina milhares de meninas a programarem. Demais, né?! Acho que nem preciso citar Ada Lovelace, precursora da programação, mas se você não a conhece, clique aqui!

“Programe como uma garota” é sobre representatividade

No dia 6 de março, tive oportunidade de ir ao Fórum Claudia #eutenhodireito e acompanhar discussões sobre medidas que as empresas estão tomando em prol da igualdade de gênero no ambiente corporativo. Lá, vi uma plateia composta por mulheres de diversas idades, interesses e habilidades. E o que as uniu ali, naquele salão, ia muito além de campanhas, medidas, incentivos ou divulgação de números. Elas estavam em busca de, principalmente, referências.

mulheresemtechÉ como pontuou Ana Paula Assis, gerente geral da IBM para América Latina: “Para entender o (universo) feminino, precisamos de representatividade”. Com mais de 20 anos de experiência em TI, Ana Paula conquistou o cargo de gerente geral da IBM para América Latina e reforçou, em seu discurso, a importância em representar o futuro de milhares de meninas que sonham em entrar na área.

Neste mês da mulher, escolho olhar para o copo meio cheio. Sei que ainda há muito o que precisa ser feito, mas a troca experiências e o apoio mútuo pode e vai nos levar ainda mais longe.

Vamos, juntas?

*por Gabriela Almeida

Artigos Relacionados

27 jun
#AngelHack RJ: um fim de semana aos olhos do Cristo, com muito código e vontade de transformar
Geral // 4

* Texto por Mayara Soares e vídeos por Bruno Favery – Diversão, networking e aprendizado. Esse é o feijão com arroz de qualquer maratona de programação de apps. E quem participa,  seja como colaborador, mentor, voluntário ou visitante, não discorda: é incrível estar envolvido nesse mundo das startups. E foi por isso que o AngelHack desembarcou na

24 abr
Quem decide sobre a segurança na sua empresa?
Geral // 0

Na semana retrasada li um estudo da IBM sobre o aumento do cibercrime de 2015 para 2016. O número é assustador. Em apenas um ano, o crescimento foi de 566%. O número de registros violados passou de 600 milhões para 4 bilhões. Apesar de eu me considerar uma pessoa otimista, fica difícil de acreditar que esse

02 jul
Fórum de Empresas e Direitos LGBT: o diálogo mudando perspectivas
Geral // 8

* por Ellen Simão – A IBM abriu suas portas para a 12ª edição do Fórum de Empresas e Direitos LGBT no mês de junho. O evento propõe os avanços nos direitos LGBT no mercado de trabalho e na sociedade. A proposta é criar uma discussão essencial para a comunidade e para as companhias que procuram criar um ambiente inclusivo para os

Comentários

Deixe aqui seu comentário

nitromidia.com Desenvolvido por